Jornalista é condenado a pagar R$ 5 mil à juíza por tweet

Leandro Demori foi condenado após discussão no Twitter com magistrada aclamada pelas redes bolsonaristas.

Em sua newsletter, o jornalista e ex-editor executivo do The Intercept Brasil Leandro Demori anunciou ter sido condenado a pagar R$ 5 mil reais em ação de danos morais contra a juíza Ludmila Lins Grilo.

O QUE ACONTECEU: A juíza se tornou uma personalidade popular nas redes sociais bolsonaristas por contrariar recomendações do uso de máscara e medidas de segurança relativa à COVID-19.

Em 2021, a magistrada viralizou nas redes por dar um “tutorial” de como andar sem máscara em locais onde o uso era obrigatório.

No Twitter, ela havia afirmado que as diretrizes e recomendações da ONU sobre medidas de proteção a COVID-19 não teriam validade ou obrigatoriedade jurídica no Brasil. O jornalista respondeu que “só um jumento” pensaria que tais atos seriam obrigatórios, e que ele conheceria “muitos jumentos que passam em concursos e citam Olavo [de Carvalho] esperando serem levados a sério”.

Posteriormente, o jornalista publicou uma história em quadrinhos que, segundo a magistrada, sugeria que ela tivesse pensamentos nazistas. Em processo, Ludmila alegou que o jornalista diminuiu sua qualificação como magistrada. O jornalista diz ter respondido com sarcasmo, nos limites da liberdade de expressão.

O PROCESSO: Em agosto de 2021, Demori foi condenado a pagar R$ 2 mil em ação de danos morais contra a magistrada.

Em sua decisão, o juiz Rafael Lopes Lorenzoni disse que o jornalista cruzou os limites da liberdade de expressão. “Não podem ser toleradas as ocasiões em que, a pretexto de se expressar, os detentores deste ultrapassem os limites do interesse público e atinjam os direitos de personalidade”, afirmou.

Em sua newsletter, o jornalista publicou uma atualização do caso, afirmando ter sido condenado a pagar R$ 5 mil à magistrada, após recorrer da decisão pela segunda vez.

Ele diz ter pedido para mudar a vara do processo, afirmando que o juiz do caso já trabalhou com Lins Grilo. O juiz Rafael Lopes Lorenzoni disse que o pedido era “inconformismo com a decisão” infavorável ao jornalista.

MANIFESTAÇÃO: “A próxima Legislatura precisa se debruçar sobre essa questão. Juízes e operadores do Judiciário não podem processar jornalistas nas mesmas comarcas em que atuam. Isso é proibido em diversos países.”, declarou o jornalista ao ser contatado pelo Núcleo.

Texto Sofia Schurig
Edição Julianna Granjeia

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca