Bolsonaristas usam WhatsApp e Telegram para recrutar ‘fiscais’ e intimidar mesários

Candidatos do PL atuam nas ruas e nas redes para cadastrar eleitores dispostos a compor ‘exército’

Esta reportagem foi feita numa colaboração entre Agência Pública, Aos Fatos e Núcleo Jornalismo para a cobertura das eleições de 2022. A republicação só é permitida com a atribuição de crédito para todas as organizações.


Candidatos bolsonaristas em todo o Brasil intensificaram, no sábado (1º.out), véspera do primeiro turno da eleição, uma ofensiva nas redes (e nas ruas) à procura de eleitores de Jair Bolsonaro (PL) dispostos a atuar como “fiscais” da eleição e intimidar mesários.

A estratégia faz uso de informações falsas já desmentidas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e repetidas com frequência pelo presidente da República e candidato à reeleição.

Ao menos oito candidatos ao Legislativo estão usando correntes no WhatsApp e no Telegram com o objetivo de cadastrar voluntários bolsonaristas, segundo apuração feita em conjunto por Agência Pública, Aos Fatos e Núcleo Jornalismo.

  • A candidata a deputada federal Cleonice de Oliveira (PL-SP), cujo nome na urna é Doutora Cléo, admitiu em entrevista ao UOL que a intenção é intimidar mesários;
  • Candidato a deputado estadual, Pedrinho Minas Acontece (União Brasil-MG) repetiu uma mentira dita pelo presidente da República — a de que o TSE possui uma “sala secreta” — e convocou apoiadores em vídeo publicado na quinta-feira (29): “O Bolsonaro precisa de vocês agora como fiscais no dia da votação”;
  • O deputado Major Vitor Hugo (PL-GO), que busca a reeleição e no início do governo foi líder do PSL, então partido de Bolsonaro, usou as redes para a convocação e fez referência ao presidente: “Estamos recrutando um exército de fiscais e delegados do PL, essa é a chamada que o capitão e o major estão fazendo pra vocês”;
  • “Venha ser Fiscal Voluntário do Bolsonaro e vamos levar essa no 1° turno!”, exortou Ellen Miziara (PL-MG), que tenta chegar à Câmara, em post na sexta (30);
  • Claudio Fernando (PL-SP), candidato a deputado estadual, pagou R$ 100 para impulsionar no Facebook uma propaganda em que também buscava recrutar “fiscais”.

O Facebook e o WhatsApp são plataformas que pertencem à Meta, empresa que também é dona do Instagram. Durante a campanha, candidatos pagaram por anúncios no Facebook e no Instagram com informações falsas e ataques à Justiça Eleitoral.

Como o Aos Fatos mostrou, 27 grupos bolsonaristas no Telegram — um para cada unidade federativa — foram criados com o intuito de realizar uma “contagem pública” e já reuniam 88 mil pessoas até esta sexta-feira (30).

Mensagens compartilhadas nesses grupos promovem sites que incentivam eleitores a se cadastrarem para atuarem como fiscais, sem nenhuma indicação ou informação concreta de como o processo ocorreria na prática.

Um exemplo é o Fiscais do Mito, site mantido pela empresa MQS Assessoria e Gestão, que não consta como fornecedora de nenhum candidato nas parciais de prestação de contas informadas à Justiça Eleitoral.

Uma mensagem que divulga o site apareceu cinco vezes em levantamento do Aos Fatos no Telegram. O texto diz que os “fiscais” seriam importantes para “evitar mesários [de] votar no lugar dos faltosos no final do expediente e pedir uma cópia do boletim de urna para entregar ao PL”.

Neste ano, pela primeira vez, o TSE divulgará na internet todos os boletins de urna no próprio domingo (2) da eleição.

Economize tempo e esforço no seu dia a dia. Conheça as newsletters do Núcleo.

DO REAL AO VIRTUAL

Nas ruas, o recrutamento de Cleonice de Oliveira, a Doutora Cléo (PL-SP), começou bem antes da última semana de campanha. Ao lado de um carro de som na avenida Paulista, nos atos pró-Bolsonaro de 7 de Setembro, a candidata distribuiu panfletos e até credenciais para voluntários.

Eleitores interessados poderiam entrar em um grupo de WhatsApp no qual haveria mais informações sobre a suposta “fiscalização” — e vídeos com informações falsas sobre a urna eletrônica, segundo apurou a Agência Pública.

Um dos vídeos compartilhados, já desmentido pelo TSE e em checagem do Aos Fatos, afirma que apertar o botão “confirma” durante a mensagem de “confira o seu voto” — que neste ano, pela primeira vez, irá aparecer na tela após o eleitor digitar o número do candidato — ocasionaria a anulação do voto.

Foi no WhatsApp que uma assistente da candidata recolheu informações de endereço dos fiscais voluntários. A Agência Pública obteve três desses crachás, recebidos pelo Correio na quarta-feira (28).

Bruno Fonseca/Agência Pública

Os crachás, contudo, vieram sem assinatura do coordenador, o que é uma requisição da TSE. Segundo o advogado Marcelo Weick, membro da Abradep (Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político), os crachás de fiscais de partidos precisam estar assinados por pessoas cadastradas junto à Justiça Eleitoral.

“O partido político precisa informar à Justiça Eleitoral quem está autorizado a assinar a portaria de fiscal, a credencial”, explica.

Após questionamentos no grupo sobre a falta de assinaturas nos crachás, um número identificado como assistente da candidata instruiu os voluntários a rubricarem por conta própria os crachás, como se tivessem sido assinados pela Doutora Cléo (PL-SP).

Um áudio atribuído à candidata e enviado por um número identificado no grupo como da coordenação da campanha afirma: “Fiquem em paz, vamos rubrificar [sic] esses crachás. Estou autorizando vocês a fazerem uma rubrica e colocarem meu nome aí, Doutora Cléo de Oliveira”.

Falsificar assinaturas em documentos públicos ou privados, com ou sem autorização do titular, é um crime previsto no artigo 299 do Código Penal, conhecido como falsidade ideológica.

“Falo para vocês que a nossa agora é para cima deles, vamos fiscalizar, vamos nos colégios, vamos nos preparar, amanhã um advogado vai estar falando aqui com vocês, vai estar passando aqui as instruções e se acalmem! Nós vamos lá para defender os nossos candidatos, vamos estar lá para lutar por um Brasil melhor”, conclui o áudio (ouça aqui).

A reportagem questionou a campanha da candidata sobre a instrução para os voluntários assinarem em seu lugar, mas não obteve retorno até a publicação.

Ajude a manter nosso conteúdo aberto para todos e receba benefícios exclusivos.
Custa apenas R$10.

MEDO ENTRE MESÁRIOS

A incitação de eleitores contra mesários tem gerado preocupação para quem irá atuar na função e também à Justiça Eleitoral.

“Aqui em Guarulhos foi convocada uma reunião presencial com todos os presidentes de mesa”, contou à reportagem Ana Carolina González, que irá trabalhar como mesária pela 12ª vez. “A maior parte da reunião foi sobre a importância de nós mesários evitarmos confrontos no dia da votação.”

“É a primeira vez que vejo essa preocupação no curso”, ela diz.

A reportagem da Agência Pública teve acesso a um fluxo elaborado pelo TRE-SP que instrui mesários a lidar com situações onde há maior potencial de conflito: se o eleitor se recusar a deixar o celular com a equipe, se insistir em tentar gravar a urna, se alegar que o candidato não aparece na urna.

“Em geral, entre os mesários, dá pra perceber que as pessoas estão com receio”, completa González.

Para a advogada Carolina Cléve, a presença de muitas pessoas querendo fiscalizar a eleição pode causar tumultos neste domingo. Apenas a presença de dois fiscais devidamente cadastrados é prevista pela Lei Eleitoral, e os locais de votação já são preparados para recebê-los.

“Existe um trabalho para manter ali a ordem para que não haja tumulto, então isso de ir de repente fiscais, cidadãos de todo lado querendo fiscalizar o trabalho, pode causar uma desordem na seção eleitoral.”

Reportagem Bruno Fonseca, Laura Scofield, Bianca Bortolon, Ethel Rudnitzki, Milena Mangabeira, João Barbosa, Julianna Granjeia
Edição Alexandre Aragão e Alexandre Orrico

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca