Clã Bolsonaro mirou Felipe Neto, mas acertou em 'genocida' no Twitter

Média de menções ao termo dispararam em 6x em relação aos dias anteriores

Intimar Felipe Neto por ele ter chamado Jair Bolsonaro de “genocida” parece não ter sido boa estratégia. Além de a Justiça ter suspendido a investigação e o youtuber ter criado uma coalizão para defender de graça quem for processado por criticar o presidente, o número de menções atrelando Bolsonaro a “genocida” disparou consideravelmente nos dias seguintes.

Esse tipo de resultado é conhecido como Efeito Streisand: quanto mais se tenta suprimir um assunto, maior proporção ele toma.

Considerando retweets, no dia em que Felipe Neto publicou o caso em seu Twitter, o uso do termo “genocida” chegou a quase 25 mil menções por hora, e parece ter “colado” nos dias seguintes.

De 11 a 14 de março, a média diária de menções a “genocida” foi de 26 mil tweets e RTs. Nos quatro dias posteriores, de 15 (dia do post de Neto) a 18 de março, a média foi de 149 mil tweets e RTs por dia.

gráfico de série menções a genocida

É IMPORTANTE PORQUE…

  • Liberdade de expressão está em debate nesse caso
  • Presidente e sua família estão perseguindo alguns críticos, e a difusão de termos nas redes sociais é grande parte disso


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca