Em reunião com plataformas, TSE mostra preocupação com desinformação para 2º turno

Avaliação foi de que 1º turno foi melhor que o esperado, mas propagação de desinformação piorou desde então #NúcleoNasEleições

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, se reuniu com representantes das plataformas de redes sociais nesta quarta-feira (19.out) para um balanço das ações das empresas. A avaliação do TSE é de que, enquanto o primeiro turno foi "talvez melhor" que o esperado, houve uma piora na esteira para o segundo turno.

QUEM? Participaram da reunião representantes de Google, Meta, Twitter, TikTok, Linkedin, Twitch, Kwai e, do lado da Justiça Eleitoral, estiveram presentes o ministro Alexandre de Moraes, o corregedor-geral eleitoral, ministro Benedito Gonçalves, o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet, os ministros Sérgio Banhos e Carlos Horbach e as ministras Isabel Gallotti e Maria Claudia Bucchianeri, além de assessores.

AÇÕES + DURAS: Moraes agradeceu o trabalho das plataformas no primeiro turno, mas sinalizou que a disseminação de notícias falsas cresceu na campanha do segundo turno, o que vem exigindo "medidas mais duras" da parte do TSE.

Na véspera do encontro, o TSE abriu uma investigação contra diversos integrantes do núcleo duro bolsonarista por um suposto esforço concertado de disseminação de notícias falsas mirando o candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

Decisão do TSE devassa dezenas de perfis bolsonaristas
São 81 citados: 47 pessoas e o restante responsáveis por perfis, grupos e canais; Bolsonaros estão na lista

DEMORA. Segundo apuração do jornal Folha de S. Paulo junto a pessoas presentes na reunião, Moraes sinalizou que as plataformas demoram para derrubar conteúdos e pressionou para que YouTube, TikTok e Kwai não "levem mais de 4 a 5 horas para remover vídeos após denúncias do tribunal", ao que o YouTube teria demonstrado certa resistência.

  • Moraes também teria feito menção a um problema com URLs, o que reforça a importância da ação rápida. A Corte determina a derrubada de URLs específicas e, quando as plataformas não removem o conteúdo com rapidez, esse mesmo conteúdo se multiplica em outras URLs, o que diminui a efetividade da ação de derrubada.
Texto Laís Martins
Edição Alexandre Orrico


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca