Governo dos EUA processa Google por monopólio em publicidade digital

Departamento de Justiça e oito estados exigem que Google se desfaça das suas divisões de publicidade.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ, na sigla em inglês) e oito estados norte-americanos processaram o Google nesta terça-feira (24.jan.23). Eles acusam a empresa de monopolizar o mercado de de publicidade digital.

O QUE HOUVE? O processo é a primeira grande ação antitruste contra as big techs domésticas do governo de Joe Biden.

O Google é acusado de comprar empresas a fim de consolidar sua posição de domínio do mercado de publicidade digital.

Segundo o DoJ, o Google agiu nos últimos 15 anos para diminuir a competitividade no setor, aumentando os custos dos anunciantes e reduzindo a receita de sites e editoras que também trabalham com anúncios.

A estimativa é de que 30% de cada dólar gasto com publicidade digital nos Estados Unidos acabem no caixa do Google.

Leia a ação na íntegra (em inglês).

E AGORA? Os procuradores exigem que a Justiça determine a separação das áreas de publicidade do Google para restabelecer a competitividade no setor, como a DoubleClick e a AdMeld.

Em alguns casos, o que se pede é para que aquisições feitas há uma década sejam revertidas.

É a segunda vez que o governo norte-americano vai à Justiça contra o Google.

Na primeira, em 2020, o governo Trump acusou o Google de monopolizar o setor de buscas online e a publicidade nessa área. O caso ainda não foi encerrado.

CONTEXTO. O Google é uma impressora de dinheiro da publicidade. Em 2021, a empresa faturou US$ 209 bilhões com anúncios, cifra que correspondeu a 80% da sua receita.

Embora sua participação no setor já tenha sido maior, ela ainda é significativa. O vice-líder nos Estados Unidos, a Meta, faturou US$ 115 bilhões no mesmo período.

OUTRO LADO. Em seu blog oficial, o Google refutou as acusações dos procuradores norte-americanos.

Em um post assinado por Dan Taylor, vice-presidente de publicidade global, a empresa afirmou que “a ação tenta reescrever a história às custas das editoras, dos anunciantes e dos usuários da internet”.

Taylor diz que o argumento do DoJ é o mesmo usado pela Procuradoria Geral do Texas em ação semelhante, que foi arquivada pela justiça federal.

O DoJ está dobrando a aposta em um argumento falho, que desaceleraria a inovação, aumentaria os custos da publicidade e dificultaria o crescimento de milhares de pequenos negócios e publicações.

Casos do tipo podem se arrastar por anos na Justiça.

Via CNN, Platformer, Google (todos em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca