Cadastre-se gratuitamente nas nossas newsletters

Algumas histórias, como a do navio São Luiz, têm tudo. Ela envolve a ponte mais importante do Brasil, cariocas sendo cariocas, a (ausência da) Marinha e piratas.

A primeira coisa que chamou a atenção (depois, claro, do fato de UM NAVIO TER BATIDO NA PONTE RIO-NITERÓI) foram os vídeos com as reações dos cariocas que testemunharam o acidente.

@rodrigoaleixo157 #pipacombate #fyp #ponterioniteroi ♬ som original - rodrigoaleixo157

Todos os dias, cerca de 150 mil veículos passam pela ponte. Imagina o transtorno.

Criticaram a Marinha por não ter conseguido impedir o acidente.

Talvez porque ela estivesse ocupada com outras atividades.

Uma reportagem sobre o caso, de Caio Barretto Briso, no jornal O Globo, introduziu muita gente ao mundo dos piratas modernos e dos navios abandonados.

Um dos protagonistas da matéria é o mestre de máquinas do navio São Luiz,  Paulo Carneiro, sobre quem Briso escreveu:

"Parte do seu trabalho é caminhar no convés para mostrar aos ladrões que passam em barcos, atentos ao que há para ser roubado, que o lugar tem dono. Qualquer metal ou pedaço de cobre tem valor no mercado ilegal. Durante o dia, os piratas percorrem a Baía apenas observando; à noite, eles atacam."

E é isso. Resumindo a história toda:

Twitter/XTikTok
Venha para o NúcleoHub, nossa comunidade no Discord.