Manifestações 29M unificam narrativa anti-Bolsonaro no Twitter

Debate contra o governo estava pulverizado entre outros assuntos de destaque nas últimas semanas

A repercussão no Twitter das manifestações de 29 de maio em todo o Brasil ajudou a sedimentar uma narrativa unificada contra o presidente Jair Bolsonaro, que estava pulverizada nos debates da rede nas últimas semanas, entre pautas como CPI da Pandemia, vacinação e voto impresso.

Os debates no Twitter são particularmente importantes porque, frequentemente, pauta as conversas em outras redes sociais, em estratégias de comunicação e até mesmo em políticas públicas.

Com as manifestações, a campanha anti-bolsonarista expandiu seu campo de diálogo, engajando outros atores e consolidando uma estrutura de atuação que poderá, em 2022, ser bastante significativa. A manifestação da Av. Paulista, em São Paulo, e brutalidade da Polícia Militar de Pernambuco tiveram papéis centrais no debate.

Diferentemente das manifestações de junho de 2020, quando alguns influenciadores contrários a Bolsonaro criticaram aglomerações, desta vez não houve um grande movimento de críticas aos que foram às ruas por parte de anti-bolsonaristas, mas sim preocupação com a segurança e com os protocolos. Manifestações na linha do “não pude ir, mas estou feliz pela mobilização” tiveram significativo destaque.

O volume de menções ao #29M foi alto (+560 mil), e trouxe um elemento incomum na rede nos últimos anos: foi quase o dobro das citações ao termo “Bolsonaro”. Além disso, as menções foram três vezes maiores sobre as manifestações do que sobre a CPI da Pandemia.

O bolsonarismo optou por reagir às manifestações em duas frentes:

  1. Ataques contra os atos em si (algo muito próximo do que ocorreu durante as manifestações pelo #EleNão), na qual a esquerda poderia ser derrubada usando uma mistura de exposição, entretenimento e indignação – em geral com exageros escandalosos que podem causar uma reação desproporcional do adversário e uma contrarreação ainda mais furiosa, escalando as tensões.
  2. A segunda ofensiva, ainda que confusa, tenta responsabilizar a oposição por uma mistura de aglomerações + terceira onda + PT. Tentam, aqui, incluir o nome do ex-presidente Lula com um dos alvos, a quem responsabilizam por de forma indireta “convocar” as manifestações. Aqui, atores como Adrilles Jorge, Rodrigo Constantino, Eduardo Bolsonaro e setores do lavajatismo, como Antagonista, se destacam em volume de interações.

DADOS GERAIS

  • Campo bolsonarista: 12,54% dos atores; 13,02% das interações;
  • Campo anti-bolsonarista: oito clusters com 82,57% dos atores; 84,49% das interações;
  • Hashtags: #29mforabolsonaro, #forabolsonaro, #29mpovonasruas, #29m;
  • Termos: Aglomeração, Manifestação, Bolsonaro, Ruas, Povo, Genocida, Esquerda.
imagem da capa do livrete com dados de generais do Exército

O que se destaca é a pluralidade de clusters que compõe o campo antibolsonarista, aqui marcados pelas cores verde, lilás, laranja, entre outras. A exceção é o campo bolsonarista, sinalizado pela cor azul e que, para além de em menor tamanho, sinaliza um isolamento desse perfil de usuário.

DiasAmostra
27/05/20211593
28/05/2021↑13208
29/05/2021↑307383
30/05/2021↓226065
31/05/2021↓16321
Texto Sérgio Spagnuolo
Análise Pedro Barciela
Edição Alexandre Orrico

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca