YouTube (finalmente) atualiza regras contra conteúdo anti-vacina

Plataforma também baniu diversos influenciadores americanos antivax

O YouTube anunciou nesta quarta-feira, 29.set, que vai atualizar suas regras contra de desinformação em torno de conteúdo anti-vacina, expandindo as políticas de comunidade para todos os imunizantes aprovados e considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e autoridades locais – e não mais somente para vacinas contra Covid-19.

EFEITO PRÁTICO: A plataforma diz que vai atuar contra conteúdos que falsamente fizerem alegações de que vacinas aprovadas são perigosas e que causam efeitos crônicos de saúde, que não reduzem transmissão ou contágio de doenças ou que contenha mentiras sobre a composição dos imunizantes.

"Isso inclui conteúdo que falsamente diz que vacinas aprovadas causam autismo, câncer e infertilidade, ou que substâncias em vacinas podem rastrear as pessoas vacinadas", disse o YouTube em seu blog.

QUANDO: As novas políticas entram em vigor hoje, mas ainda vai demorar um tempo até que remoções em massa aconteçam.

SIM, MAS: Há exceções para a política, segundo a plataforma: Devido a importância de discussões e debates públicos para o progresso científico, continuaremos permitindo conteúdo sobre políticas relacionadas às vacinas, novos testes de vacinas e históricos de sucesso ou falha dos imunizantes no YouTube. Também permitiremos depoimentos pessoais sobre as vacinas, desde que o vídeo não viole as diretrizes da comunidade ou que o canal não apresente um padrão de conteúdo que promove desinformação sobre vacinas.

[OPINIÃO DO AUTOR]: A medida é bem-vinda, claro, mas ainda parece singela. O YouTube não fala, inclusive, como vai atuar sobre hesitação vacinal – conteúdo que não necessariamente é anti-vacina ou contém mentiras, mas que pode induzir as pessoas a inadvertidamente adiarem sua vacinação (Ex. exagerar possíveis efeitos colaterais, promover terapias "alternativas" [notem as aspas] ou dizer para as pessoas esperarem para se vacinar até haver mais estudos).

ROLANDO AGORA: Segundo o New York Times, a medida já saiu da caixa com resultados práticos: diversos ativistas antivax já foram expulsos da plataforma, como o influenciador Joseph Mercola, considerado o mais proeminente espalhador de desinformação sobre o coronavírus, entre outros.

Ainda não está claro o que vai acontecer com o Brasil, que tem sua leva de influenciadores antivax que postam barbaridades no YouTube.

FEEDBACK: O Núcleo entrou em contato com a assessoria da plataforma com quatro perguntas:

  • A diretiva abaixo vai ser aplicada para o Brasil também?
  • A diretiva fala de conteúdo anti-vacina, mas ele será aplicado para hesitação vacinal também (como, por exemplo, recomendar que pessoas esperem mais para se vacinarem até haver mais resultados e mais consenso)?
  • Como as novas normas vão ser aplicadas para youtubers brasileiros reconhecidamente espalhadores de conteúdo anti-vacina ou com hesitação vacinal?
  • Quantos dos 130 mil vídeos removidos desde o ano passado foram de brasileiros?

A resposta foi apenas: "As informações sobre essas mudanças foram publicadas hoje no blog do YouTube e também podem ser conferidas na íntegra na nossa página de Diretrizes da Comunidade, no item Desinformação foram adicionadas as novas políticas sobre vacinas."

Via blog do YouTube e The New York Times.

Reportagem de Sérgio Spagnuolo
Edição de Alexandre Orrico

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca