Grupo do MPF quer impedir propaganda eleitoral no Telegram

Argumento do MPF para proibição é frágil, segundo especialistas.

Um grupo do Ministério Público Federal (MPF) quer impedir que o Telegram seja usado para o disparo de propaganda na campanha eleitoral de 2022.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.  

O app desperta preocupações junto às autoridades brasileiras pela ausência de diálogo, moderação frágil ou inexistente e a forte adoção pela população brasileira e por políticos — uma combinação explosiva que remonta ao uso do WhatsApp no pleito de 2018.

O argumento do MPF é frágil, porém, como explicam especialistas ouvidos pela reportagem. "Não acho que dá para cravar que propaganda eleitoral no Telegram é proibida por definição. O que dá para cravar é que propaganda paga no Telegram é proibida. E dá para discutir uma série de problemas a partir do momento que se escolhe fazer propaganda no Telegram", disse Francisco Brito Cruz, do InternetLab.

Via Estadão (com paywall).



Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca