Facebook permitiu anúncios com mensagens de ódio contra os rohingya, em Mianmar

Posts virulentos contribuíram para o genocídio da minoria rohingya em Mianmar. Anos depois, pouca coisa mudou na rede social

O grupo de direitos humanos Global Witness conseguiu aprovar oito anúncios na plataforma do Facebook com mensagens de ódio contra a minoria rohingya, em Mianmar, provando que, apesar das promessas da Meta, dona do Facebook, de aperfeiçoar as ferramentas de moderação no país, elas ainda deixam a desejar.

Os resultados do estudo foram compartilhados com a Associated Press. A Global Witness disse que as peças foram excluídas pela ONG antes de serem veiculadas.

A relação entre Facebook e Mianmar representa a falência do Facebook em moderar discursos de ódio. A empresa ajudou a conectar o país no início dos anos 2010 e tornou-se sinônimo de internet lá. Entre 2016 e 2017, foi instrumental no genocídio dos rohingya perpetrado pelo exército.

Posteriormente, o Facebook admitiu ter falhado em Mianmar — não havia sequer moderadores que falavam os idiomas locais.

A ONU, ao pedir o indiciamento de generais de Mianmar por genocídio, criticou duramente o Facebook por ter permitido que a sua plataforma fosse usada para incitar a violência contra os rohingya.

O estudo conduzido pela Global Witness mostra que mesmo com toda a repercussão, vidas perdidas e promessas da Meta/Facebook, pouca coisa mudou.

Via Associated Press, Reuters (ambos em inglês).



Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca