Como deixar o YouTube menos viciante

Use o YouTube sem se deixar levar pelo canto da sereia, digo, do algoritmo.

Sites e aplicativos como o YouTube são projetados para nos manter o maior tempo possível neles. O que está em jogo ali é a nossa atenção, então é do jogo que o Google, a empresa dona do YouTube, empregue todos os artifícios possíveis para nos prender o maior tempo possível ali dentro — vendo vídeos e, claro, anúncios.

Apenas a título de exemplo, em fevereiro de 2017 o YouTube comemorou a marca de 1 bilhão de horas gastas assistindo a vídeos por dia. A meta fora estipulada em 2014 e alcançada graças ao uso pesado de vídeos recomendados, incluindo extremistas e mentirosos.

Apesar disso, o YouTube é basicamente o repositório de vídeos na internet. É possível usá-lo sem se deixar levar pelo canto da sereia, digo, do algoritmo? É sim!

Extensões

Para quem usa o YouTube majoritariamente no navegador, existem extensões que bloqueiam ou alteram padrões viciantes do YouTube.

Comece pela Clickbait Remover (gratuita, para Chrome e Firefox).

Ela troca as miniaturas (as “thumbs”) personalizadas dos vídeos, muitas vezes apelativas, por um quadro aleatório do vídeo em questão.

Outra boa extensão é a Unhook (gratuita, para Chrome, Edge e Firefox).

De uma vez só, ela remove uma série de distrações do YouTube: vídeos relacionados, comentários, aba de Shorts (vídeos curtos), recomendações da página inicial, vídeos em alta etc. As configurações são granulares, ou seja, é possível eliminar uma distração e manter outras.

Se você usa sistemas Apple, o Safari tem uma extensão chamada Vinegar (R$ 10,90) que substitui o player do YouTube por um padrão do sistema. Acho esse player padrão mais leve. Além disso, há dois benefícios indiretos muito valiosos:

  1. Elimina anúncios antes, durante e depois dos vídeos; e
  2. Permite usar o PIP no iOS e iPadOS.

Outro caminho possível, mais complexo, mas que pode eliminar a necessidade de alguma extensão acima, é usar bloqueadores de anúncios (uBlock Origin, 1Blocker) para bloquear elementos da interface do YouTube.

Aqui, por exemplo, criei uma regra no 1Blocker para não carregar o elemento identificado como #related no site do YouTube, onde fica a coluna lateral de vídeos recomendados. Veja como fica uma página de vídeo com esse bloqueio vigente:

Print do Safari com um vídeo do Manual do Usuário aberto no YouTube, com o player de vídeo HTML5 e sem a barra lateral de recomendações.

Aplicativos

Não existem (ou desconheço) aplicativos alternativos do YouTube para iOS. No Android, existiam dois; um deles, o Vanced, foi encerrado abruptamente no início do ano. Sobrou, então, o NewPipe.

Outras configurações

Uma alternativa bem alternativa é usar um “front-end” diferente. Já dei a dica aqui no site do Invidious, um site que se coloca entre você e os servidores do YouTube com uma interface menos pesada e que garante mais privacidade.

Uma última dica: acesse o YouTube deslogado ou, se não quiser ou preferir fazê-lo logado, desative o histórico de reprodução na sua conta Google. Basta acessar esta página estando logado no Google/YouTube e clicar/tocar no botão Desativar.

Isso diminuirá as sugestões de conteúdo de canais que você não segue, o que acaba sendo a única maneira de mitigar o algoritmo de recomendação em plataformas menos flexíveis, como as das TVs.

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca