A crise chegou ao Snapchat

Evan Spiegel, CEO da Snap, avisou os acionistas que a empresa passa por uma fase difícil. Em resposta, ações desabaram.

É raro encontrar uma empresa de tecnologia que não esteja cortando custos e segurando as pontas para enfrentar o cenário macroeconômico desfavorável. A Snap, dona do Snapchat, não é diferente.

O QUE HOUVE? Na segunda (23), o CEO da Snap, Evan Spiegel, comunicou seus funcionários e os investidores de que a empresa não conseguirá bater as metas (criadas por ela mesma) de geração de receita e EBITDA no segundo trimestre.

O aviso veio depois de um primeiro trimestre fraco e atualizou projeções igualmente fracas.

A notícia caiu como uma bomba no preço da ação, que despencou 43,1% naquele pregão e continua caindo até agora. No acumulado de 2022, a desvalorização já é de 69,7% até esta quinta (25.mai).

REPERCUSSÃO. O comunicado de Evan ainda trouxe outras más notícias.

A Snap vai diminuir o ritmo de contratações até o fim do ano e tentar cortar custos.

A queda do valor dos papéis respingou em outras empresas do setor. Na segunda, nomes como Pinterest (-23,6%), Meta (-7,6%), Twitter (-5,6%) e Alphabet (-5%) também perderam valor, com os investidores receosos de que elas compartilham dos mesmos desafios da Snap.

POR QUÊ? Os motivos da desaceleração são, segundo Evan:

  • Aumento da inflação e da taxa de juros;
  • Deficiências na cadeia de suprimentos;
  • Problemas trabalhistas;
  • Alterações pró-privacidade em sistemas alheios, como o da Apple; e
  • A guerra na Ucrânia.

Via CNBC (2) (em inglês).


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca