Meta derruba operações de influência de China e Rússia

Empresa tirou do ar uma rede chinesa, de baixa atividade, e uma rede russa "complexa e sofisticada"

A Meta tirou do ar duas redes de operação de influência – uma originada na China e outra, na Rússia – por violarem sua política de comportamento inautêntico coordenado, anunciou a empresa na terça-feira (27.set.2022).

Essas redes não tinham relação entre si e operavam em múltiplas plataformas além das que pertencem à Meta. A empresa disse que alertou outras empresas de tecnologia, pesquisadores de segurança, governos e agências de segurança para que elas também possam agir.

CHINA. A rede com origem na China e tinha como alvo usuários nos Estados Unidos, República Tcheca e falantes das línguas inglesa e francesa ao redor do mundo. Essa rede, que teve baixa atividade, operou em 4 'ondas' entre o 2º semestre de 2021 e meados de set.2022.

  • Objetivo: Segundo a Meta, nos EUA foram alvos tanto pessoas alinhadas ao partido Democrata quanto ao partido Republicano. Já na República Tcheca, os a campanha foi contra o governo.
  • Redes: essa operação de influência aconteceu no Facebook, Instagram, Twitter e dois sites de abaixo-assinado tchecos.
  • Novidade: segundo a Meta, essa foi a primeira derrubada de uma operação de influência chinesa que tinha o objetivo de influenciar a política doméstica dos EUA (as eleições de meio de mandato ocorrem em nov.2022). O mais comum são operações que visam criar uma imagem crítica dos EUA perante o público estrangeiro.

RÚSSIA. Diferente da rede chinesa, a operação russa derrubada pela Meta funcionava em larga escala. Originária na Russa, essa rede tinha como alvo usuários na Alemanha principalmente, mas também França, Itália, Ucrânia e Reino Unido com narrativas focadas na guerra da Ucrânia.

  • Método: Desde maio deste ano, cerca de 60 sites foram criados para se passar por sites de veículos jornalísticos europeus como os alemães Der Spiegel, Bild e o inglês The Guardian. Esses sites ilegítimos publicavam artigos com críticas à Ucrânia, refugiados da guerra, em favor da Rússia e com argumentos de que sanções à Rússia teriam efeito reverso.
  • Outras redes: os artigos publicados nestes sites, além de memes e vídeos de Youtube, eram impulsionados em várias plataformas, incluindo FB, Instagram, Telegram, Twitter e sites de abaixo-assinado. O conteúdo chegou a ser disseminado em dado momento pelas páginas de Facebook de embaixadas russas na Europa e Ásia.
  • Reincidência: segundo a Meta, ao passo que a investigação caminhava, os domínios destes sites foram sendo bloqueados, mas novos domínios surgiam no lugar.
  • Jornalismo: a investigação da Meta começou depois de uma reportagem do site alemão t-online, que tratava de uma parte desta rede.
  • Força bruta: essa operação é a maior e mais complexa de origem russa a ser derrubada pela empresa desde o início da guerra na Ucrânia. Segundo a Meta, a operação demonstrou uma "combinação incomum de sofisticação e força bruta".
Texto Laís Martins
Edição Sérgio Spagnuolo

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca