Telegram remove dois grupos bolsonaristas após decisão do TSE

Reportagem da Agência Pública que motivou a decisão revelou difusão de desinformação e estímulo à violência #NúcleoNasEleições

Os grupos 70 Milhões eu voto em Bolsonaro Nova Direita e 70 Milhões 2 eu voto em Bolsonaro Nova Direita foram removidos nesta sexta-feira (28.out.22) após decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A multa ao Telegram em caso de descumprimento foi fixada pelo ministro Alexandre de Moraes em R$100 mil por hora.

A Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação (AEED/TSE) abriu procedimento de investigação após publicação da reportagem 'Matar e quebrar urnas': evangélico líder de motociata incentiva crimes no Telegram, da Agência Pública.

Os grupos, que somavam mais de 180 mil integrantes, difundiam desinformação e estimulavam violência e preconceito.

Reprodução do grupo momentos antes da remoção

Pouco antes da remoção, o administrador identificado como Jackson Villar compartilhou um link para que os usuários entrassem em um novo grupo chamado “Carta do Bolsonaro” que já reúne mais de 3 mil integrantes até a tarde desta sexta-feira (28.out.).

O CASO. Nas gravações dos chats dos grupos analisadas pela Agência Pública, Villar propõe uma espécie de “eleição paralela”, em que diz que vai provar “fraude nas urnas”.

Também insinua a necessidade de cometer crimes diante do cenário desfavorável ao seu candidato, Jair Bolsonaro (PL); fala sobre a necessidade de “quebrar esquerdistas no cacete”, conclama seus seguidores a “quebrar a urna eletrônica no pau” e afirma que “cientista político tem que apanhar”.

Leia a íntegra da decisão:

Edição Sérgio Spagnuolo

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca