Telegram libera cadastro sem telefone e tópicos em grupos

Para usar o Telegram sem informar um número de telefone, será preciso comprar “número anônimo” em uma blockchain.

O Telegram liberou uma atualização com várias novidades. Destaques para o cadastro que dispensa um número de telefone e aperfeiçoamentos no recurso de tópicos para grupos.

O QUE HOUVE? Embora o Telegram possa ser usado sem que o usuário revele seu número de telefone, esse dado era exigido até agora para se cadastrar na plataforma.

Não mais. A partir de agora, é possível se cadastrar no Telegram usando o que o aplicativo chama de “número anônimo”, um número que lembra um de telefone, mas é, na realidade, um registro na blockchain Fragment — a mesma usada para leiloar nomes de usuário.

É preciso comprar um número anônimo, porém, de duas formas:

  • Participando dos leilões, caso queira um número específico; ou
  • Comprando um número aleatório por 9 TONs, a criptomoeda usada na blockchain Fragment. (Neste momento, 9 TONs equivale a cerca de R$ 85.)

TÓPICOS. Os tópicos, recurso que permite a administradores de grupos segmentá-los em assuntos distintos, foram aperfeiçoados e agora podem ser ativados em grupos com pelo menos 100 membros. (Antes, o piso era 200.)

Em grupos onde os tópicos foram ativados, aparece um novo painel e indicadores dos tópicos existentes, a fim de facilitar a navegação.

Quem não curtir o novo leiaute consegue, com dois toques, alternar a visualização padrão (por tópicos) para a antiga, baseada em mensagens. Nesse caso, cada mensagem traz um rótulo indicando a que tópico pertence.

O QUE MAIS? Outras novidades desta versão:

  • Opção global de autoexcluir mensagens;
  • Opção para ativar um filtro anti-spam mais agressivo em grupos com pelo menos 200 membros.
  • Geração de códigos QR temporários.
  • Busca por emojis no iOS.
  • Detalhamento de espaço usado no Android.
  • Novos emojis animados.

DINHEIRO. Mais cedo nesta terça (6.dez), o CEO do Telegram, Pavel Durov, comemorou em seu canal no aplicativo o sucesso das iniciativas de monetização do Telegram.

Segundo Durov, “nossos anúncios têm superado significativamente o mercado e colocam o Telegram em um caminho firme rumo à sustentabilidade financeira”.

Além dos anúncios, que não usam dados pessoais, a outra frente de geração de receita, a assinatura premium do Telegram, bateu 1 milhão de assinantes.

Pode parecer bastante, mas Durov disse que as assinaturas “ainda representam uma fração da receita total do Telegram”.

Via Telegram, @durov/Telegram (em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca