Meta é processada na Etiópia por permitir posts violentos

Dona de Facebook tem sido há anos acusada de negligenciar moderação em países que não falam inglês, permitindo posts violentos em países como na Índia, em Myanmar e até no Brasil

A Meta está sendo processada por permitir postagens violentas que alegadamente agravaram a guerra civil na Etiópia. O processo está sendo movido no Quênia por dois pesquisadores etíopes e o Instituto Katiba, um grupo de direitos humanos.

A informação é da agência Reuters.

A empresa, dona de Facebook, Instagram e WhatsApp, tem sido há anos acusada de negligenciar moderação em países que não falam inglês, permitindo posts violentos em países como na Índia, em Myanmar e até no Brasil, entre outros.

PRINCIPAIS PONTOS. Os principais pontos da ação afirmam que:

  • O sistema de recomendação do Facebook amplificou postagens violentas na Etiópia, mesmo que violassem políticas de comunidade;
  • A Meta não treinou seu algoritmo para moderar corretamente o conteúdo;
  • A empresa falhou na contratação da equipe de moderação regional, baseada em Nairóbi, Quênia, que também não moderou o conteúdo.

Segundo a Reuters, o pai de um dos pesquisadores foi assassinado um mês após receber postagens no Facebook contendo insultos xenofóbicos, ameaças de morte e doxxing. Ele denunciou as publicações, mas elas não foram totalmente removidas.

DEMANDAS. A ação pede que a Meta tome medidas de emergência para conter conteúdo violento na Etiópia, aumente a equipe de moderação em Nairóbi e crie um fundo de U$2 bilhões para vítimas globais de violência incitada via Facebook.

O QUE DIZ A META. Um porta-voz da Meta disse à Reuters que discurso de ódio e incitação a violência são contra as políticas de comunidade do Facebook e Instagram. Ele também afirmou que a empresa contrata pessoas locais para facilitar a moderação.

META JÁ FOI ALERTADA. Em 2021, o Comitê de Supervisão da Meta recomendou que a empresa analisasse como o Facebook e Instagram são usados para amplificar publicações violentas na Etiópia.

“A Meta tem consciência, há muito tempo, de que suas plataformas são usadas para disseminar discurso de ódio e incitar violência em conflitos”, afirmou o conselho.

Via Tilt/Reuters

Edição Sérgio Spagnuolo

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca