Bolsonaro travado e Moro-surpresa atiçam redes

O primeiro debate presidencial do segundo turno teve até um toque inesperado do atual presidente em Lula #NúcleoNasEleições

Receba de graça a newsletter Garimpo


Antes do primeiro debate presidencial do segundo turno, organizado por Band, UOL, Folha e TV Cultura, o Bolsonaro disse que o episódio do "pintou um clima" o fez passar as piores 24 horas da sua vida — o que é impressionante vindo de alguém que já levou uma facada e que, se for mesmo palmeirense, enfrentou o jejum de 17 anos sem títulos, entre 1976 e 1993.

O episódio das jovens venezuelanas foi pouco explorado no debate, mas o Lula fez uma alusão sutil a ele usando um broche da campanha Faça Bonito, de combate ao abuso e à exploração sexual contra crianças e adolescentes.

Depois de o Bolsonaro dizer que o Rodrigo Maia era o pai do orçamento secreto, o ex-presidente da Câmara respondeu rápido. Bem rápido mesmo, com um vídeo sem fazer a barba e sem limpar a câmera frontal do celular.

O momento mais comentado do debate foi este, em que o Bolsonaro parece dar uma travada.

Mas, pra mim, a parte mais interessante vem logo depois, quando ele encosta no Lula.

O Lula tirou a mão do Bolsonaro rapidamente, mas o momento foi eterno enquanto durou. Até o intérprete de libras ficou um pouco desconcertado.

O Flavio Bolsonaro deu aos twitteiros a oportunidade de reeditar um clássico.

O Super Trunfo do Bolsonaro foi o Sergio Moro Surpresa.

Ex-juiz federal e agora ex-traidor do atual presidente, ele o assessorou nas qüestões 🇧🇷 sobre a corrupiçaum 🦆 e ainda deu entrevista coladinho com o mito.

A direita gostou!

O pior momento do Lula foi quando ele não soube administrar o tempo e deixou o Bolsonaro com mais de cinco minutos pra falar sozinho. Mas também, né? Quando deixam o Bolsonaro falar à vontade ele diz que quase comeu um índio, então talvez não tenha sido tão ruim assim pro Lula.

A agência de checagem Aos Fatos listou algumas mentirinhas de sempre do Bolsonaro e uma do Lula, que disse que no governo dele não tinha sigilo.

Mas, afinal, quem venceu o debate?

Nessas ocasiões eu me lembro sempre destes versos da música "O Rei do Gatilho", interpretada pelo Moreira da Silva:

Eu atirei, ele atirou, e nós trocamos tanto tiro
Que até hoje ninguém sabe quem morreu
(Eu garanto que foi ele, ele garante que fui eu)

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca