O que pessoas negras têm a falar sobre a "A Mulher da Casa Abandonada"

Um episódio novo e uma operação policial motivaram questionamentos sobre a espetacularização do caso.

Receba de graça a newsletter Garimpo


Esta quarta-feira (20) foi o dia mais conturbado da história do podcast A Mulher da Casa Abandonada. Foi quando saiu o sétimo episódio, uma entrevista com a protagonista, Margarida Bonetti, que manteve uma mulher negra escravizada por duas décadas nos EUA.

À tarde, a Polícia Civil de São Paulo cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa. A operação, que virou um caos, foi transmitida ao vivo pela TV e pelas redes sociais. Estes foram alguns dos destaques da ação:

  • Luisa Mell, ativista dos direitos animais, foi ao local para resgatar um cachorro de Margarida, transmitindo tudo ao vivo pelo Instagram. Ela virou piada no Twitter por ter aparentemente confundido uma denúncia de "gato", no sentido de instalação clandestina, com maus tratos a um felino.
  • Curiosos acompanharam a operação do lado de fora da casa gritando palavras de ordem.
  • O jornalista Chico Felitti, apresentador do podcast, compareceu ao local para acompanhar a entrada da polícia e gravar um episódio extra sobre "o circo que se formou".
  • O apresentador José Luiz Datena foi criticado por fazer uma cobertura sensacionalista e mal informada sobre a operação.

Ao longo do dia, pessoas negras discutiram questões relacionadas ao racismo motivadas pelo novo episódio do podcast e pela operação policial:

Bárbara Borges e Francinai Gomes: "A espetacularização do racismo é uma herança colonial"

Winnie Bueno: "Entrevista permite ao branco repouso moral"

Simone Bispo: "O tratamento para pessoas brancas é diferenciado"

Levi Kaique Ferreira: "Datena está com pena da mulher branca que escravizou uma empregada negra"

Gabi Oliveira: "O foco é a espetacularização"

Chico Felitti respondeu que estava "só trabalhando".

Artur Santoro: "Estranho publicidade de filme de terror"

Déia Freitas: "Rico é rico até quando é criminoso e mau caráter"

Erika Hilton: "O combate ao trabalho análogo à escravidão é urgente"

Thiago: "até que tava embarcando na história até o ep em que o jornalista descreve com detalhes a tortura"

Nina da Hora: "Ninguém fala dos danos e gatilhos psicológicos"

Thiago Amparo: "É tudo muito nosso país"

Lola Ferreira: "Vir em podcast influenciou muito na forma torta que as pessoas o consumiram"

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca