O Touro de Ouro é um resumo perfeito dos nossos tempos

Uma escultura para celebrar o mercado financeiro √ copiando gringos √√ enquanto mais da metade dos brasileiros vivem em insegurança alimentar √√√

Receba de graça a newsletter Garimpo


Bom, a essa altura você já deve estar sabendo que ontem apareceu um touro de ouro em frente à Bolsa de Valores de São Paulo, no Centro Velho.

Ok, "apareceu" é modo de dizer. A escultura é um PRESENTE da Bolsa de Valores  (a B3), do economista Pablo Spyer (sócio da XP Investimentos) e do artista Rafael Brancatelli PARA A CIDADE DE SÃO PAULO, como eles explicaram nesse post aqui.

O problema é que nem todo mundo de São Paulo não gostou muito, não.

O touro, além de uma alusão ao próprio Pablo Spyer, que tem 400k followers no Instagram e usa o apelido de "Tourinho de Ouro", é uma "homenagem" ao Charging Bull, a escultura de bronze de um touro em posição de ataque que decora Wall Street – a rua onde fica a Bolsa de Valores de Nova York.

Essa referência OBVIAMENTE remeteu à eterna síndrome de vira-lata dos paga-paus de gringo.

Dá para ver como a galera imagina que nasceu essa ideia do Touro de Ouro paulistano e também acessar a versão oficial da história, você escolhe.

De qualquer forma, realmente virou um novo marco paulistano, rapidamente batizado com um nome bem adequado.

Se você pensar bem, o Touro não deixa de ser um produto de seu tempo, no sentido estético...

E no sentido ético também: mais de metade dos brasileiros vivem algum grau de insegurança alimentar atualmente.

A prova disso é que hoje ele já amanheceu alterado: um cartaz onde se lê FOME em letras garrafais foi colado ao Touro pelo Movimento Raiz da Liberdade e Juventude Fogo no Pavio.

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca