Ministério da Saúde camuflou dezenas de tweets sobre 'tratamento precoce'
Arte: Sérgio Spagnuolo

Desde fev.2021 foram publicados 37 tweets explícitos em alusão a práticas ineficazes contra Covid-19, mas foram mascarados diversos outros com termos indiretos. Todos foram na gestão de Pazuello

O Ministério da Saúde fez 37 publicações explícitas sobre "tratamento precoce" para Covid-19 em seu perfil no Twitter desde o início da pandemia, e mascarou dezenas de outras publicações com expressões alternativas que remetem a protocolos ineficazes no combate à doença.

A conclusão é baseada em uma análise com dados de posts impulsionados obtidos pela agência Fiquem Sabendo utilizando a Lei de Acesso à Informação, cedidos com antecedência ao Núcleo e também publicados em sua newsletter quinzenal. É possível apoiar a agência neste link.


É importante porque...
  • Ministério da Saúde é a instituição que deveria prezar pelas melhores práticas de saúde na pandemia.
  • CPI da Pandemia investiga promoção de terapias não confirmadas

Análise dos tuítes do gabinete sobre a pandemia que mencionaram a palavra precoce mostrou que o termo tratamento precoce foi o mais frequente, mas outras combinações também eram usadas para sugerir terapias ineficazes no tratamento da Covid.

mencoes-tratament-precoce

As combinações mais utilizadas foram atendimento e identificação, mas outros termos como cuidado, avaliação e detecção também foram encontradas em postagens do MS sobre a doença.

combinacoes-precoce-1

UMA CONFUSÃO SÓ

Um tweet do Ministério divulgando o lançamento da campanha do Outubro Rosa, em 2020, revela esta confusão. O vídeo da publicação mostra o ex-ministro misturando o diagnóstico precoce do câncer de mama com o da Covid. No tweet, a menção: "O ministro Eduardo Pazuello abordou a importância do tratamento precoce".

O Ministério da Saúde lançou a campanha do #OutubroRosa 2020, em cerimônia com a presença da primeira-dama Michelle Bolsonaro e da ministra @DamaresAlves (@DHumanosBrasil). O ministro Eduardo Pazuello abordou a importância do tratamento precoce. pic.twitter.com/ioNwIPxce3October 7, 2020

Foi também durante o período de Pazuello à frente da pasta, tanto como interino quanto efetivado no cargo, que foram feitas todas as 37 postagens que mencionam explicitamente o protocolo de "tratamento precoce", defendido amplamente pelo governo federal e que consiste em administrar medicamentos (principalmente hidroxicloroquina e ivermectina) para prevenção e tratamento de pacientes de COVID.

Medicamentos têm sua eficácia comprovada mediante exaustivos estudos clínicos, mas até o momento não há evidências de que qualquer remédio funcione preventivamente contra Covid-19. No geral, testes conduzidos com certas drogas foram insuficientes e inconclusivos. No fim de março deste ano, por exemplo, a OMS recomendou que a ivermectina fosse utilizada somente em testes clínicos.

Um desses posts foi o anúncio da efetivação de Pazuello no cargo, em que o Ministério destaca que o general "liderou a nova estratégia de tratamento precoce contra a Covid-19".

Eduardo Pazuello será efetivado como ministro da Saúde amanhã, às 17h. Ele liderou a nova estratégia de tratamento precoce contra a Covid-19, além da distribuição de EPI's, ventiladores e medicamentos para todo o Brasil. https://t.co/CsHjhviwxg pic.twitter.com/Gddw7Y3emiSeptember 15, 2020

Outro tuíte sugeria que pacientes solicitassem o tratamento precoce, recebeu uma marcação do Twitter ligado a "informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à COVID-19".

A gestão de Pazuello, por outro lado, foi a que proporcionalmente menos tuitou sobre COVID dentre os quatro ministros que estiveram à frente da pasta desde o início da pandemia, com ao menos 54,3% dos posts sobre o assunto. Esse resultado é puxado principalmente pelo período entre setembro e dezembro de 2020, quando outros assuntos estiveram mais em pauta no Twitter do Ministério.

Balanço

Em média, a conta oficial do MS publicou mais tuítes -- uma média de 15 por dia -- durante a gestão de Luiz Henrique Mandetta, o primeiro ministro e que permaneceu no cargo até 16 de abril. A menor quantidade de tuítes por dia foi feita durante o tempo de Nelson Teich a frente do MS -- média de 8,3 tuítes por dia. Por outro lado, foi durante a gestão de Teich que proporcionalmente foram feitas mais publicações falando sobre COVID, com 76% dos tuítes fazendo alguma menção ao vírus.

A quantidade de posts fazendo alguma menção à COVID representa ao menos 58,8% do total de tuítes publicados em todo o período.

930 posts faziam alguma menção ao termo "vacina", sendo que 646 tuítes falavam especificamente de vacinas contra o coronavírus.

O Fiquem Sabendo também identificou 85 posts promovidos pela pasta -- publicações artificialmente impulsionadas pelo Twitter -- dos quais apenas um era sobre a campanha de vacinação contra a COVID-19. Além deste tuíte promovido, foram impulsionados outros 34 posts sobre campanhas de vacinação contra outras doenças.

Como fizemos isso

Para contabilizar o número de tweets por gestão no Ministério, dividimos o período da pandemia pelo tempo de cada ministro à frente da Saúde, considerando a data de demissão de cada ministro como término de um período, e o dia subsequente como início da gestão seguinte.

Para identificar menções à COVID, utilizamos as seguintes palavras-chave: covid, coronavirus, pandemia, novocoronavirus, respiradores, sars-cov2, coronavac, sinovac, astrazeneca, pfizer, butantan, ifa , segunda dose , mascara, ventilador, entrada de estrangeiro, eficacia, oxford -- além de uma combinação de classificação manual e por palavras-chave de tweets que mencionavam vacina.

As publicações sobre a vacinação contra o coronavírus foram todas a que mencionavam vacina e não atendiam aos seguintes critérios:

  • Tweets até 31/07/2020, pois as vacinas contra covid eram tema pouco abordado, e o foco era em outras campanhas;
  • Tweets com as seguintes palavras-chave: gripe, influenza, sarampo, informatizacaosus, conectesus, todas as idades, curso, poliomelite, 15 anos, caes e gatos, crianca, diad, dia d, paralisia infantil, tetano, rubeola, caderneta de vacinacao, novembroazul, adolescente, adolescencia, cartao de vacina, golpe, celular.

Existe a possibilidade de falsos negativos (tweets marcados como não mencionando a covid, quando se referiam a ela). Contudo, é improvável que eles afetem a comparação entre gestões: é necessário que existam 326 publicações falso-negativas dentre as publicações da gestão Pazuello para que ele alcance o patamar da gestão Queiroga (64,9%) em menções a Covid (considerando que não existam falsos negativos entre esta última). Ou seja, isto implicaria em um erro de classificação de 23% dos tweets categorizados como não-covid nesta gestão.

Reportagem Lucas Gelape e Laís Martins
Edição Sérgio Spagnuolo
dados: Tabela do Fiquem Sabendo
dados: Tabela do Núcleo


Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca