Proporção de vereadores mais jovens mantém queda no Brasil
Arte: Rodolfo Almeida

Análise do Núcleo mostra que vereadores com menos de 30 anos representam apenas 7,2% dos eleitos em 2020. Em 2012, eram 8,7%. Isso mostra dificuldade na renovação de partidos.

A proporção de vereadores mais jovens caiu pela segunda eleição consecutiva em 2020, totalizando 7,2% dos eleitos, indicando uma resistência à renovação nos quadros dos partidos -- ao menos no nível municipal -- mesmo em meio a movimentos de mudanças na política nacional nos últimos anos que mudaram nomes de partidos, criaram novas siglas e lançaram novos candidatos.

Em 2016, o percentual de vereadores eleitos com menos de 30 anos no momento da eleição foi de 7,9% -- quatro anos antes, em 2012, essa proporção era de 8,7%. Além disso, uma análise preliminar do Núcleo com dados da eleição 2008 indica que o percentual era ainda maior nesse ano.


É importante porque...
  • Indica dificuldade na renovação dos quadros partidários em nível municipal
  • A consolidação dessas instituições ao longo do tempo tende a reforçar o poder de políticos que ocupam cargos na burocracia partidária

gráfico faixa etária de vereadores 2012 a 2020

Nas eleições municipais, as eleições de vereador são um evento importante para observar tendências de renovação nos partidos. Isso se deve a dois fatores:

  • o grande número de cadeiras de vereador em disputa (mais de 58 mil em todo o país) que pode facilitar a entrada de estreantes;
  • o mais baixo limite de idade entre todos os mandatos eletivos do país, a idade mínima de 18 anos na data da posse.

NOS PARTIDOS

Novo, PSOL e Rede foram os partidos que elegeram os maiores percentuais de vereadores jovens dentre os seus candidatos (18-29 anos):

  • 17,4% dos vereadores do Novo (4 eleitos nessa faixa);
  • 15,2% do PSOL (12 eleitos);
  • 14,6% da Rede (20 eleitos).

Na sequência vem o PSL (9,8%), ao passo que a média dos demais partidos é de 7,4% vereadores nessa faixa etária.

Em comum, Novo, Rede e PSOL são partidos mais jovens e/ou com baixa presença institucional. No total, o Novo elegeu 23 vereadores, o PSOL 79 e a Rede 137 - que correspondem a 0,04%, 0,14% e 0,24% do total de 56.710 cadeiras atualmente confirmadas pela Justiça Eleitoral (confira a seção de metodologia para verificar como calculamos o número de eleitos).

gráfico faixa etária de vereadores 2012 a 2020
Em estudos clássicos, a ciência política já diagnosticou a dificuldade de partidos políticos renovarem seus quadros.

A consolidação dessas instituições ao longo do tempo tende a reforçar o poder de políticos que ocupam cargos na burocracia partidária.

Este fenômeno se agravou nas últimas décadas com uma combinação de dois fatores: a queda do número de filiados a partidos políticos em democracias consolidadas e a construção dos chamados partidos-carteis, que são aqueles que dependem mais de recursos (especialmente financeiros) do Estado para a sua manutenção.

Novo e PSOL são ainda dois partidos mais conectados com grandes cidades. Do total de votos nominais para vereadores nesses partidos, 94,4% e 85,4%, respectivamente, foram em municípios com mais de 200.000 eleitores (a Rede obteve 54,9% nessas cidades). Essas cidades correspondem a 38% do eleitorado nacional.

Um levantamento do site Pindograma indicou que o percentual de jovens entre o total de filiados a partidos políticos no Brasil diminuiu na última década. Este fenômeno, porém, não é generalizado. Enquanto PT, PDT, PSDB, PSB, MDB e DEM observaram uma diminuição no número absoluto de filiados jovens, Novo, Rede, PSL, PSOL e Patriota registraram crescimento.

Quanto ao gênero e raça desses jovens vereadores, o PSOL se destaca pela diversidade: dos 12 eleitos, 8 são mulheres, sendo que 6 autodeclaradas pretas. O Novo, por sua vez, elegeu três homens autodeclarados brancos e uma mulher branca. Desses vereadores da Rede, somente três são mulheres (15%).

PARTIDO DOS TRABALHADORES

Após protagonizar todas as eleições presidenciais pós-redemocratização, o Partido dos Trabalhadores (PT) sofreu uma forte derrota nas eleições municipais de 2016. Em 2020, as eleições apresentaram sinais mistos para o PT.

Por um lado, perdeu cadeiras nos dois Poderes, obteve uma taxa de sucesso de 15% das prefeituras disputadas (a menor entre partidos que elegeram mais que 100 prefeitos) e se manteve em patamares próximos aos de 2016, que foi o seu pior desempenho eleitoral desde a ascensão de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República.

Por outro, o partido expandiu os municípios em que disputará o segundo turno, aumentou sua votação total para o Executivo e Legislativo municipais, inclusive em capitais, onde foi o segundo partido com maior número de vereadores eleitos.

Segundo matéria de Fábio Zanini e Carolina Linhares na Folha de S. Paulo, dirigentes petistas avaliam nos bastidores "que é preciso renovar seus líderes e reconectar-se com o eleitorado, sobretudo os mais jovens, para evitar perder ainda mais terreno no campo progressista".

Apesar de ser reconhecido há décadas como uma das poucas agremiações com atividade partidária orgânica no Brasil, o PT não é exceção nas tendências de dificuldades de renovação descritas pela ciência política.

Em 2020, 7,6% dos vereadores eleitos pelo partido tinham entre 18 e 29 anos no dia da eleição, valor levemente superior ao de 2016 (7,2%) mas ainda inferior ao de 2012 (9%).

gráfico faixa etária de vereadores 2012 a 2020

Como enfatiza o cientista político Jairo Nicolau, as quedas do PT em 2016 estiveram diretamente relacionadas ao tamanho do município: quanto mais populoso, maior a queda no percentual de votos para vereador. É nesses municípios que a estratégia petista de recuperação parece ter se focado.

Ao menos nas maiores cidades brasileiras, o PT avançou na eleição de lideranças jovens. Comparativamente às eleições de 2012 e 2016, o partido ampliou a fatia de seus vereadores que estão na faixa de 18 à 29 anos.

Em municípios com mais de 200 mil eleitores, eles saíram de 1,7% dos vereadores eleitos pelo partido em 2016 para 9,2% este ano. Nas capitais, os jovens passaram de 2,4% para 8,9% dos vereadores do partido nas duas últimas eleições.

Além deste aumento entre os mais jovens, é nesta faixa etária que as mulheres vereadoras alcançam sua maior representação no partido. Elas são 27,6% dos 199 vereadores  com menos de 30 anos. Nas demais faixas, este percentual fica entre 20,3% (40-49 anos) e 21,9% (60 ou mais). Nos municípios com mais de 200.000 eleitores, elas correspondem a 10 dos 11 eleitos. Entre esses jovens, 8 das 10 mulheres se autodeclaram pretas.

COMO FIZEMOS ISSO

Para candidaturas e resultados de eleitos, utilizamos as informações dos bancos de candidaturas dos anos de 2012, 2016 e 2020 do Repositório de Dados Eleitorais. Tendo em vista a constante atualização desses dados segundo julgamentos da Justiça Eleitoral quanto ao status de algumas candidaturas, ressaltamos que os dados aqui apresentados se referem aos dados gerados no dia 27/11/2020 pelo TSE - nos quais constam 56.710 vereadores eleitos (de um total de 58.112 cadeiras de vereador em disputa).

Testamos nossos resultados com o resultado obtido via API de resultados do TSE (pacote eleicoesmun2020) - que retorna 57.376 eleitos - e com os dados de candidaturas gerados em 20/11/2020 - com 57.608 eleitos. Todos indicam resultados no mesmo sentido daqueles descritos na matéria. Considerando os resultados ainda não declarados, para que o número de jovens eleitos em 2020 se iguale ao percentual de 2016, é necessário que 32,8% das 1.402 cadeiras não declaradas sejam destinadas a candidatos com menos de 30 anos - valor largamente superior ao que elas atingiram até o momento (97,6% do total).

Para os votos dos candidatos, utilizamos dados obtidos via pacote eleicoesmun2020, que extrai dados da API de resultados do TSE. Este pacote retorna o resultado eleitoral de 499.892 candidaturas a vereador - enquanto a base de dados de resultados nominais por zona, disponível no Repositório do TSE apresenta o resultado de 489.636 candidatos.

A análise se concentrou nas eleições realizadas na última década, em que novos atores partidários e dinâmicas políticas se incorporaram ao cenário do país.

Análise Lucas Gelape
Edição Sérgio Spagnuolo
Arte Rodolfo Almeida


Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca