Pagamentos para empresas no WhatsApp não saem do papel por entraves contratuais, diz FT

Parceiros locais necessários para que o Banco Central autorize a operação não estão animados com os termos propostos pelo WhatsApp

O recurso de pagamentos de pessoas para empresas no WhatsApp (P2M, no jargão do meio) está parado por questões mais complexas que as técnicas.

O QUE ROLOU? Lançar esse recurso no Brasil é encarado na Meta, holding dona do WhatsApp, como um teste para as ambições financeiras da empresa, que vem sofrendo com a estagnação dos seus outros produtos e fracassos em outras frentes, como a da criação de uma criptomoeda própria.

Segundo o Financial Times, há dois principais entraves para que os pagamentos P2M no WhatsApp virem realidade:

  1. Parceiros como Cielo, Rede e Getnet, entre outros, necessários para processar os pagamentos eletrônicos, acham as taxas propostas pelo WhatsApp baixas, os termos da parceira onerosos para elas e que a Meta está querendo tirar o corpo fora na responsabilização do negócio.
  2. O Banco Central ainda precisa autorizar o novo modelo, o que só pode ocorrer depois que o WhatsApp fechar contratos com esses parceiros.

ENTRAVE. “O problema não é técnico, é contratual”, disse uma fonte anônima do Financial Times. “A infraestrutura já está pronta.”

Via Financial Times (em inglês).



Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.