Bolsonaro e MPF querem mexer no cronograma das comunidades do WhatsApp no Brasil

MPF pediu ao WhatsApp que adie o lançamento das comunidades para 2023 pelo risco de um “6 de janeiro” no Brasil, e o presidente quer antecipar.

Na última quinta (14.abr), a Meta anunciou uma grande atualização do WhatsApp: as comunidades, recurso que agrega grupos em HUBs e permite disparar mensagens para até ~2,5 mil pessoas de uma só vez.

A empresa reafirmou o compromisso feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de não alterar o funcionamento do WhatsApp até as eleições deste ano. No Brasil, as comunidades só chegarão depois de outubro, quando ocorre o pleito.

QUAL O PROBLEMA? Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição presidencial, não gostou da exceção feita ao Brasil.

Durante a última motociata em São Paulo, na sexta (15.abr), o presidente disse que esse arranjo:

[…] é inadmissível, inaceitável, e não vai ser cumprido, este acordo que por ventura eles realmente tenham feito com o Brasil, com informações que eu tenho até o presente momento.

Um dia depois, Bolsonaro disse que pediria uma reunião com o WhatsApp:

Já conversei com o [ministro das Comunicações] Fábio Faria. Vai conversar com representante do WhatsApp aqui no Brasil para explicar [o acordo]. Se ele [WhatsApp] pode fazer um acordo com o TSE, pode fazer comigo também, por que não?

DEIXA PRA DEPOIS. Se de um lado Bolsonaro quer antecipar a estreia das comunidades no Brasil, do outro o Ministério Público Federal (MPF) quer adiá-la ainda mais.

Em um ofício do órgão enviado ao WhatsApp e obtido pela Reuters, o MPF sugeriu a possibilidade de deixar as comunidades no Brasil para 2023.

O MPF citou expressamente os eventos de 6 de janeiro de 2021 nos Estados Unidos, quando, incitada pelo então presidente norte-americano, o republicano Donald Trump, uma turba invadiu o Capitólio, causando ferimentos e mortes.

Ainda segundo o MPF:

Um aumento de viralização de conteúdos potencialmente desinformativos pode trazer para os direitos fundamentais de participação política dos cidadãos e das cidadãs deste país, assim como para a integridade das instituições democráticas nacionais.

E AGORA? O WhatsApp tem dez dias para responder o questionamento do MPF.

Em nota à Reuters, o WhatsApp esclareceu que a decisão de congelar novas funcionalidades antes do fim das eleições brasileiras de 2022 não é fruto de um acordo com o TSE, mas sim uma iniciativa da empresa.

Via LABS News, O Globo.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca