TSE formaliza acordo pioneiro com Telegram para combate à desinformação eleitoral

Segundo o TSE, acordo com o Telegram é o primeiro do tipo feito no mundo.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Telegram oficializaram, em sessão plenária nesta segunda (16.mai), um acordo contendo diversas ações para combater a desinformação eleitoral na plataforma.

O QUE MUDA? TSE e Telegram se comprometeram com a realização de diversas atividades para combater a desinformação durante a corrida eleitoral de 2022, a saber:

  • Criação de um canal oficial do TSE no Telegram para divulgar notícias e informações referentes às eleições.
  • Criação de um robô para tirar dúvidas dos leitores, com apoio técnico do Telegram — similar ao do WhatsApp, relançado no início de abril.
  • Desenvolvimento de uma funcionalidade para sinalizar conteúdos marcados como falsos.
  • Criação de um canal extrajudicial com o TSE para o recebimento de denúncias. “Quando houver denúncias, o Telegram conduzirá investigação interna para verificar se os canais indicados violaram os termos de serviço e políticas da plataforma”, explica o tribunal.

O acordo vale até 31 de dezembro de 2022. Do seu lado, o TSE se comprometeu a “fornecer informações e relatórios sobre o desenvolvimento das eleições que possam ser importantes para que o Telegram desenvolva políticas internas e melhores práticas”.

Leia a íntegra do memorando de entendimento.

PIONEIRISMO. O acordo é o primeiro no mundo que o Telegram firma com um órgão eleitoral.

Edson Fachin, presidente do TSE, disse que a parceria “revela que o TSE está na vanguarda mundial do enfrentamento à desinformação, rumo à realização das eleições em outubro. Sigamos adiante, firmes no propósito de defesa da democracia”.

HISTÓRICO. Em março, o Telegram foi bloqueado no Brasil por ordem do ministro Alexandre de Morais, via Supremo Tribunal Federal (STF). Alexandre será o presidente do TSE durante as eleições.

A ordem de bloqueio foi revogada pelo próprio ministro Alexandre, antes mesmo de ser executada, após o Telegram cumprir todos os pedidos feitos pela decisão do STF, incluindo a cooperação com o TSE.

Na sessão desta segunda, Alexandre disse que o acordo “mostra que é possível garantir total liberdade de expressão, mas com a responsabilidade daqueles que divulgam as informações”.

Via TSE, O Globo.



Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca