Google suspende engenheiro que afirma que inteligência artificial da empresa adquiriu consciência

Equipe interna do Google revisou as evidências e garantiu que: não, a inteligência artificial não é senciente.

A inteligência artificial (IA) do Google é assombrosa de boa, mas daí a achá-la senciente, é demais. Não para Blake Lemoine, engenheiro do Google.

O QUE HOUVE? Pois Lemoine acredita que a inteligência artificial LaMDA, apresentada pela empresa em 2021, é senciente.

Há alguns meses, segundo o Washington Post, ele começou a conversar com a LaMDA para ajudar nos testes de uso de discurso de ódio e discriminatório da IA. Em vez de xingamentos, encontrou o que descreveu como “uma criança de sete, oito anos, que calhou ter conhecimentos de física”.

Lemoine acredita tanto na consciência da LaMDA que causou um rebuliço no Google e fora dele, quebrando contratos de confidencialidade para provar seu argumento, até ganhar férias remuneradas do Google. A empresa nega que sua IA seja senciente.

QUE BICHO É ESSE? LaMDA, abreviação em inglês para “modelos linguísticos para aplicações de diálogo”, é uma tecnologia que o Google emprega em vários dos seus produtos para predizer sentenças que humanos usariam.

Não é senciente, é só uma inteligência artificial relativamente boa em regurgitar de forma coerente as toneladas de conteúdo escrito por seres humanos que o Google devora e processa.

Brian Gabriel, porta-voz do Google, disse ao jornal norte-americano:

Nossa equipe — incluindo eticistas e tecnólogos — revisou as preocupações de Blake à luz dos nossos Princípios de IA e informou a ele que as evidências não apoiam sua alegação. Ele foi informado de que não há evidência de que a LaMDA seja senciente (e que há muitas evidências contra essa ideia).

DEJÁ VÙ. A história de Lemoine envolve crenças transcendentais e questionamentos interessantes. E ecoa o primeiro robô de conversação da história, o ELIZA.

Criado em 1966 por Joseph Weizenbaum, do Laboratório de Inteligência Artificial do MIT, o ELIZA emulava um terapeuta. Mesmo com uma lógica simples, a ilusão era forte o suficiente para fazer vários estudantes se abrirem com o programa.

Via Washington Post (em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca