Meta vai à Justiça nos EUA contra empresas que raspam dados do Facebook e Instagram

Uma empresa ligada à China e um indivíduo turco são os alvos da investida judicial da Meta

A Meta abriu dois processos na Justiça contra uma empresa subsidiária de outra chinesa e um indivíduo turco nos Estados Unidos que estavam raspando dados das suas plataformas sociais.

O QUE HOUVE? Os processos são uma tentativa da empresa de interromper a ação da Octopus, subsidiária de uma “empresa chinesa de alta tecnologia” não especificada, e de Ekrem Ateş, uma pessoa baseada na Turquia.

Ambos fazem “raspagem” de dados no Facebook e Instagram, respectivamente, o que a Meta considera violar seus termos de uso.

RASPAGEM? Raspagem, ou “scraping”, é uma prática que consiste em coletar dados de sites disponíveis publicamente na internet usando sistemas automatizados.

A ilegalidade da raspagem é um tema controverso no meio jurídico. Há quem defenda, com bons argumentos, que se os dados são públicos, não há problema.

A Meta argumenta que os dados coletados pela Octopus e por Ekrem Ateş só são acessíveis mediante login, o que os colocaria na ilegalidade.

QUAL O PROBLEMA? A Octopus vende um software que faz raspagem no Facebook e Instagram. Quem paga por ele consegue obter dados de perfis no Faceobok, como endereço de e-mail, número telefônico e data de nascimento, e outros similares no Instagram.

Já Ekrem Ateş faz a raspagem de perfis no Instagram para criar sites clones, que replicam o conteúdo da rede social na web aberta. A Meta estima que ele já raspou 350 mil perfis.

A Meta acredita que essas operações são danosas a seus usuários e que violam seus termos e a lei de direitos autorais do país (DMCA), por isso busca proibi-las na Justiça federal norte-americana.

PRECEDENTES. Desde 2017, o LinkedIn, outra rede social norte-americana, briga na Justiça contra uma empresa rival, a hiQ, que faz raspagem dos seus perfis profissionais.

O LinkedIn perdeu sucessivas vezes, até mesmo quando o caso escalou à Suprema Corte. A derrota mais recente foi em abril deste ano, como reportou o Gizmodo.

A raspagem que exaspera a Meta hoje é muito parecida à brecha explorada pela Cambridge Analytica em meados da década passada para coletar dados de usuários do Facebook. A diferença é que, na época, a própria Meta oferecia ferramentas que possibilitavam a raspagem — ainda que o mau uso já fosse proibido por seus termos.

Via Meta, Gizmodo (ambos em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário


Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca