Comitê de Supervisão da Meta reverte posts derrubados sobre corpos transgêneros

Órgão idependente revisou duas postagens que haviam sido derrubadas após denúncias. Segundo a revista Rolling Stone, é o primeiro caso sobre o tema.

O Comitê de Supervisão da Meta publicou na última terça-feira (26.jul.22) seu primeiro caso, segundo a Rolling Stone, envolvendo moderação e identidade de gênero. O grupo é um órgão independente lançado em 2020 para tratar de questões como desinformação, discurso de ódio e assédio.

O CASO: De acordo com o comunicado à imprensa, duas pessoas transgênero tiveram fotos retiradas do Instagram por violarem as políticas de nudez e imagem explícita com fotos sem camisa, anunciando que realizariam mastectomias (cirurgia de retirada das mamas). Em ambas as postagens, os mamilos estavam cobertos - em uma, com as mãos, na outra, com fita adesiva cor da pela.

Um dos casos foi aceito por um moderador humano, após o sistema automatizado da Meta ter considerado o post com "conteúdo potencialmente violador". Já o outro foi pelo próprio sistema automatizado da Meta, empresa dona do Instagram. As postagens tiveram ao menos três sinalizações de moderação rejeitadas antes de serem derrubadas.

Após contestarem a moderação, que foi mantida pela Meta, os usuários apelaram ao Comitê de Supervisão. Somente depois que o conselho de supervisão assumiu o caso é que a empresa reverteu sua decisão e restaurou as publicações, dizendo que foram removidas “por engano”.

Em declarações à diretoria, os usuários, que não tiveram suas contas divulgadas, dizem ser “importante que os corpos transgêneros não sejam censurados na plataforma, especialmente quando os direitos transgêneros e o acesso à saúde que afirma o gênero está nos ameaçando nos Estados Unidos”.

META QUER SUA OPINIÃO: Em sua decisão, o conselho pede para que usuários comentem sobre as políticas da Meta e questões de identidade de gênero. Entre os temas propostos para discussão, está se as políticas internas da empresa respeitam direitos de usuários trans e não-binários, e como as redes sociais podem ser uma ferramenta de expressão para pessoas LGBTQ em países autoritários.

NO ENTANTO… Postagens com conteúdo anti-LGBTQ viralizaram mais do que nunca no Instagram em junho (mês do orgulho LGBTQ), segundo dados da Media Matters for America. A organização, que monitora a extrema-direita dos EUA nas redes, descobriu que a Meta permitiu que mais de 3 mil comentários homofóbicos ou transfóbicos continuassem no ar após denunciados, ainda que as diretrizes de comunidade proíbam conteúdo preconceituoso e retórica anti-LGBTQ.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca