Frances Haugen lança ONG pra ficar de olho em Big Techs

Lançada hoje, a "Beyond the Screen" quer ajudar usuários a terem mais controle de suas experiências nas redes sociais

A ex-funcionária do Facebook, Frances Haugen, responsável pela divulgação de mais de 20 mil páginas de documentos internos da plataforma em 2021, conhecidos como Facebook Papers, lançou hoje (22.set) uma organização sem fins lucrativos chamada Beyond the Screen (Além da Tela, na tradução livre).

A ideia é se concentrar em soluções concretas para ajudar os usuários a obter o controle da experiência nas redes sociais, disse Haugen no comunicado oficial.

“Podemos ter redes sociais que trazem o melhor de nós, e é para isso que a Beyond the Screen está trabalhando", afirmou a ex-executiva da área de Integridade Cívica do Facebook.

Entre os parceiros da Beyond the Screen estão duas organizações com ideias semelhantes: a Project Liberty e a Common Sense Media.

O QUE DEVE VIR POR AÍ. A primeira missão da organização é criar um projeto “Duty of Care”, que servirá como um banco de dados de código aberto para documentar as maneiras pelas quais a Big Tech estão falhando em suas obrigações legais e éticas e delinear maneiras de corrigir esses problemas coletivamente.

Por isso, a ambição dos envolvidos é documentar danos online e identificar lacunas nas pesquisas atuais e no pensamento sobre danos e soluções online e envolverá acadêmicos, sociedade civil, advogados e legisladores para transformar soluções em realidade.

O que vem bem a calhar nesse momento, visto que a Meta (dona do Facebook, Instagram e WhatsApp), por exemplo, está restringindo o acesso a dados de suas redes sociais.

O Núcleo mostrou que a empresa deu mais uma sufocada no CrowdTangle, fazendo mudanças na política do Instagram que vão basicamente extinguir transparência de dados em vídeos da plataforma.

“O projeto Duty of Care representa um esforço ousado, inclusivo e muito necessário para impulsionar uma mudança sísmica na forma como as redes sociais operam”, comentou Frank McCourt, fundador do Project Liberty, que disse estar ansioso para avançar no objetivo de tornar comunidades digitais mais saudáveis ​​e interromper modelos de negócios prejudiciais.

Texto Samira Menezes
Edição Alexandre Orrico

Faça parte da conversa

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca