TikTok barra políticos de fazerem dinheiro na rede

Com novas medidas, TikTok visa impedir qualquer tipo de monetização ligado a conteúdos políticos

Anúncios de cunho político já eram proibidos no TikTok, mas a rede implementou nesta quarta-feira (21.set.2022) medidas adicionais para impedir que qualquer tipo de publicidade ligado a atores ou grupos políticos aconteça na plataforma.


É importante porque...

**Com mudanças implementadas nesta semana, políticos e partidos não poderão receber ou dar dinheiro pelos recursos de monetização do TikTok nem gastar dinheiro promovendo conteúdo.

**Para além das dancinhas e memes, TikTok virou território de disputa pelo voto do eleitor, mas empresa quer reafirmar posição como plataforma de entretenimento.


Explica melhor: Até o momento, o TikTok proibia conteúdo político em anúncios. A partir desta semana, contas pertencentes a políticos e partidos ficarão automaticamente desabilitadas de utilizar os recursos de publicidade e qualquer forma de monetização, o que ajudará a rede a "aplicar de maneira mais consistente nossa política existente", informou em nota.

  • Contas pertencentes a estes atores ou grupos políticos também não terão acesso a recursos de monetização do TikTok, como links afiliados, moedas e brindes em lives.
  • Políticos ou partidos também não poderão pedir doações para campanhas, seja através de pedido verbal ou direcionamento para site de arrecadação. Conteúdos passarão a ser removidos quando identificados.

Caso a caso: A empresa reconhece que há situações em que governos precisarão fazer publicidade, como no caso de campanhas de vacinação. Anúncios por contas de governo serão permitidas em "circunstâncias específicas", em conjunto com um representante do TikTok.

Entretenimento e nada mais: Com a ampliação das restrições, a rede social pertencente à chinesa ByteDance reafirma seu lugar como "plataforma de entretenimento".

O objetivo das medidas "é encontrar um equilíbrio entre permitir que as pessoas discutam questões que são relevantes para suas vidas e, ao mesmo tempo, proteger a plataforma criativa e divertida que nossa comunidade deseja", disse a empresa.  

Texto Laís Martins
Edição Samira Menezes


Faça parte da conversa

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca