LinkedIn conduziu experimento em 20 milhões de usuários

Objetivo era determinar se a sugestão de contatos distantes resultava em melhores oportunidades de emprego.

O LinkedIn conduziu um experimento em 20 milhões de usuários durante cinco anos a fim de testar a teoria da força dos laços fracos, desenvolvida por Mark Granovetter nos anos 1970.

O QUE HOUVE? O objetivo do LinkedIn era determinar se a sugestão de contatos distantes na ferramenta “Você talvez conheça…” levaria a mais e melhores oportunidades de emprego na plataforma em relação a sugestões de contatos próximos.

Os testes do tipo A/B foram conduzidos entre 2015 e 2019 e os resultados agregados, analisados por pesquisadores do LinkedIn, MIT e das universidades de Stanford e Harvard.

O problema é que os 20 milhões de usuários sujeitos ao experimento não foram informados previamente.

RESULTADOS. Os pesquisadores concluíram que usuários do LinkedIn expostos a sugestões de contatos mais distantes foram duas vezes mais efetivos em conseguir um emprego pela plataforma.

Os resultados validam a teoria da força dos laços fracos. A pesquisa foi publicada na revista Science.

REPERCUSSÃO. Questionado pelo New York Times, o LinkedIn disse que os usuários da plataforma concordam com a realização de experimentos do tipo ao se inscreverem e que o objetivo é ajudar as pessoas em larga escala a encontrar empregos.

A Microsoft, dona do LinkedIn, disse por sua vez que a pesquisa não gerou qualquer vantagem desproporcional a alguns usuários.

Pesquisadores independentes, como Michael Zimmer, professor de ciência da computação e diretor do Center for Data, Ethics and Society da Universidade Marquette, divergem. Ao NYT, ele disse:

Os resultados sugerem que alguns usuários tiveram acesso a melhores oportunidades ou uma diferença significativa no acesso a oportunidades de emprego. São consequências de longo prazo, do tipo que precisam ser contempladas quando pensamos na ética de engajar em pesquisas de big data dessa natureza.

PRECEDENTES. Não é a primeira vez que uma Big Tech usa seus usuários como ratos de laboratório sem avisá-los disso.

Em 2014, o Facebook divulgou uma pesquisa em que alterou as publicações exibidas no feed de quase 700 mil usuários ao longo de um fim de semana com o intuito de manipular seus humores.

Os resultados demonstraram que o algoritmo do Facebook tinha esse poder.

Via New York Times (em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca