Meta vai se desfazer da Giphy após decisão do Reino Unido

Não adiantou dizer que GIFs animados são bregas e estão em desuso

O órgão antitruste do Reino Unido decidiu, nesta terça (18.out), que a Meta deve se desfazer da Giphy, startup norte-americana de GIFs animados que comprou em 2021.

O QUE HOUVE? A Autoridade de Mercados e Concorrência (CMA, na sigla em inglês) publicou a decisão da apelação da Meta, analisada por um painel independente.

A apelação foi negada. A CMA justificou a decisão dizendo que a aquisição:

  • Limitaria o acesso de outras redes sociais aos GIFs da Giphy, um problema porque as redes da Meta respondem por 73% do tempo gasto em serviços do tipo no Reino Unido;
  • Reduziria a concorrência em publicidade digital, setor em que a Meta controla quase metade da receita gerada no Reino Unido, de £ 7 bilhões ao ano.

A Giphy chegou a alegar que GIFs animados são “cringe” e estão em desuso para tentar segurar o negócio. Não funcionou.

CONSEQUÊNCIAS. Ao site norte-americano The Verge, um porta-voz da Meta comentou a decisão.

Segundo ele, a empresa venderá toda a operação da Giphy no mundo inteiro. Historicamente, as decisões da CMA só valem para a jurisdição britânica, mas a Meta, ao que parece, não quer correr riscos.

A CMA acompanhará as negociações da Meta com compradores em potencial da Giphy, para evitar que a startup seja adquirira por outra empresa que ameace o ambiente concorrencial.

Via CMA, The Verge (ambos em inglês).

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca