Google pagará quase US$400 mi por uso indevido de dados de localização

Justiça norte-americana alega que Google teria rastreado pessoas mesmo com a função de localização desligada em seus dispositivos

O Google chegou a um acordo em que pagará US$392 milhões a 40 Estados norte-americanos por alegações de que a empresa teria rastreado pessoas por meio de seus dispositivos mesmo com a função de geolocalização desabilitada.

O anúncio foi feito na semana passada (14.nov.2022) por um grupo de procuradores estaduais e reportado pela NPR. Segundo as autoridades, é o mais alto valor em um acordo ligado à privacidade de usuários.

CONTRAPARTIDA. Como parte do acordo, o Google se comprometeu a implementar uma série de mudanças para dar mais transparência ao uso de dados de localização pela empresa. À NPR, um porta-voz do Google disse que as práticas reveladas na ação estão desatualizadas.

DADOS. Os dados de localização coletados pelo Google são comercializados pela empresa junto a anunciantes, permitindo que eles ofereçam publicidade a usuários com base em dados sobre locais onde vivem ou frequentam. A maior parte da receita do Google vem de publicidade.

Texto Laís Martins
Edição Julianna Granjeia


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca