Cadastre-se gratuitamente nas nossas newsletters

Quase dois meses após cerca de 10 mil autores americanos escreverem uma carta coletiva direcionada para empresas de Inteligência Artificial pedindo responsabilidade e compensação justa pelo uso de suas obras no desenvolvimento da tecnologia, alguns escritores cansaram de conversar.

Cinco autores, que incluem até ganhadores do prêmio Pulitzer, estão processando a OpenAI, a criadora do Chat GPT, em uma ação coletiva por violação de direitos autorais.

Os escritores querem que a empresa pare de usar material com direitos autorais para treinar ferramentas de inteligência artificial generativa.

Como pedir à Meta a exclusão de seus dados pessoais para treinar IA
Com uma pegadinha: Meta só deixa você excluir seus dados pessoais presentes em materiais de terceiros

ACABOU O AMOR. Segundo a ação, a OpenAI se utilizou sem permissão da obra dos autores para alimentar seus modelos. A prova disso, segundo os autores são as descrições e resumos precisos dos textos.

Além disso, citam que os modelos conseguem até mesmo escrever de forma fidedigna no estilo de cada escritor.

Recentemente o Núcleo citou em uma matéria sobre livros escritos por Inteligência Artificial que estão aparecendo na Amazon Brasileira um livro criado especificamente com o estilo da escritora Clarice Lispector.

Livros escritos por IA começam a pipocar na Amazon brasileira
Núcleo identificou dezenas de títulos à venda criados a partir do ChatGPT; plataforma ainda não possui políticas claras sobre co-autoria de IA

"A OpenAI sabia que as bases de dados que ela usava para treinar seus modelos de linguagem continham material com direitos autorais", acusam os autores na ação.

Essa é a terceira judicialização do tipo em alguns meses. A comediante Sarah Silverman também está processando a empresa, assim como outros dois autores americanos.

Com informações da Reuters e The Verge (Inglês)

Reportagem Leonardo Coelho
Edição Alexandre Orrico
OpenAI
Venha para o NúcleoHub, nossa comunidade no Discord.