Cadastre-se gratuitamente nas nossas newsletters

Jornalismo não é um negócio qualquer. Jornalismo independente, então, é um mundo à parte.

Em primeiro lugar, é muito difícil ganhar escala e furar bolhas. Em segundo, oferta e demanda nem sempre andam lado a lado, especialmente por conta da acirrada concorrência por atenção digital hoje em dia. Em terceiro, organizações independentes são muito mais expostas financeira, organizacional e juridicamente. E, por fim, está a inegável realidade de que jornalismo é primariamente um serviço público, o qual precisa vir antes da (ou em prejuízo de) recompensa.

Isso tudo torna muito difícil para que organizações alcancem alguma sustentabilidade comercial com conteúdo, e é por isso que muitos veículos optam por ser ONGs em vez de empresas. Uma ONG, em tese, é criada em torno de missões, e há mais oportunidades financeiras para captar recursos para uma missão do que levantar investimentos para se ter retorno com conteúdo (embora a receita fique muito dependente de poucas fontes – ex. a cada R$3 da Agência Pública, R$2 foram grants de fundações).

O Núcleo, por exemplo, é uma empresa que tem como modelo de negócios o financiamento de missão e a oferta de produtos e serviços de tecnologia, é isso que mantém nosso jornalismo (o único dinheiro que ganhamos com conteúdo vem do inestimável apoio dos nossos leitores e leitoras).

Ajude o Núcleo a continuar fazendo investigações importantes com apenas R$10.

Tudo isso pra dizer que as tretas mais recentes envolvendo a startup Headline pintam um cenário no qual criar uma empresa de jornalismo é algo imensamente difícil. Pra quem não sabe, o Headline dispensou todos os seus funcionários (em algum momento foram mais de 10) porque, sendo curto e grosso, simplesmente acabou o dinheiro. Mais detalhes neste link.

Em 2019, eu vi em primeira mão o estrago que faz o fechamento repentino de um veículo de jornalismo quando o Vórtex, no qual eu era editor de dados, fechou as portas após apenas dois meses de seu lançamento, porque o dinheiro prometido pelo dono do negócio aos funcionários simplesmente não veio do "investidor" (aqui entre aspas porque ninguém sabe quem era). Foram 35 pessoas arremessadas à rua de um dia pro outro. (Mais detalhes aqui)

Embora o caso do Headline seja diferente, assim como a forma como as coisas acabaram, ele e outros (El País, Vice, Huffpost, Destak, entre outros menores) demonstram que os desafios da sustentabilidade comercial do jornalismo independente no Brasil podem estar sendo subestimados por novas, financiadas e bem-intencionadas empresas de jornalismo.

Criar e vender produtos jornalísticos é um desafio imenso que engloba explorar formatos, desenvolver e integrar tecnologia, comunicar o valor do produto e gerar demanda por ele. A arquitetura de como tudo isso vai funcionar é fundamental.

Não existe fórmula mágica para sair dessa sinuca de bico (nós aqui do Núcleo estamos bem cientes das dificuldades, pode acreditar). O Jota é um veículo (empresa) que soube navegar muito bem essas ondas, assim como o Meio.

Por que investir nisso, então? Porque jornalismo vale a pena. Sem ele o Brasil provavelmente não seria mais uma democracia em 2023. Quem faz jornalismo e trabalha com propósito sabe bem disso, por mais árduo e frustrante que seja esse nosso mister.

Se nós, empresas pequenas, quisermos continuar com as luzes acesas por muito tempo, temos que entender que a sustentabilidade do negócio jornalístico é um suor constante que nenhuma bolada de dinheiro consegue enxugar no longo prazo. Talvez seja assim pra tudo, mas é especialmente verdade para o jornalismo independente.

Acesse o NúcleoHub, nossa comunidade no Discord.