A “dificuldade” em usar o Mastodon não é por acaso

Fora dos ambientes da big tech, tecnologias mais saudáveis costumam ser mais difíceis ou pagas — às vezes, as duas coisas

O êxodo do Twitter, arruinado por Elon Musk, seria mais intenso se a principal alternativa surgida nesse período turbulento, o Mastodon, fosse mais simples. Não que seja uma ciência complexa, mas o atrito para usar a rede do momento, em especial o cadastro, tem desanimado alguns.

O Mastodon exemplifica um dos dois grandes trunfos da big tech: a facilidade. Uma das obsessões das empresas do Vale do Silício é remover obstáculos entre suas ofertas e o público potencial, nem que para isso comprometa outros aspectos importantes, mas “chatos”, como a privacidade.

O modelo do Mastodon é à prova de Elon Musk. Nenhum bilionário conseguiria comprar a rede porque ela é pulverizada e seu código, aberto — é de todos e de ninguém.

Como funciona

Essa enorme vantagem tem, como efeito colateral, o cadastro um pouco mais complicado: em vez de uma entidade central, que aglutina cadastros, conteúdo e tudo mais, o Mastodon é uma “rede de redes” que se comunicam entre si. O primeiro passo, pois, é encontrar uma dessas redes (instância, ou servidor) que esteja aceitando cadastros.

O conceito é similar ao do e-mail, ainda que hoje esse setor esteja bastante concentrado em poucos grandes players — Google e Microsoft, em especial.

Ao criar um e-mail no Gmail, você consegue trocar mensagens com pessoas em outros “servidores”, como o Hotmail ou o Yahoo Mail.

Ao criar um perfil no… sei lá, masto.donte.com.br, você consegue conversar com pessoas da ursal.zone. (São duas instâncias do Mastodon.) A lógica é a mesma do e-mail.

Disse ali em cima que a facilidade é um dos trunfos da big tech. O outro é a gratuidade. Quase toda alternativa livre imporá um ou outro empecilho. Às vezes, ambos ao mesmo tempo.

O e-mail, aliás, é um ótimo exemplo do trunfo da gratuidade. É possível se ver livre do Gmail e do Outlook/Hotmail, ótimas ofertas de e-mail gratuito. Subir um servidor de e-mail próprio é muito complexo, daí que o melhor caminho é contratar um serviço gerenciado que, sem surpresa, vai cobrar uma mensalidade.

Fastmail, Tutanota, Migadu, Proton, Zoho: há farta oferta, todas de excelente qualidade, todas pagas. Vale a pena? Eu acho que sim, tanto que há mais de cinco anos pago pelo meu e-mail. É para todo mundo? De maneira alguma.

Vai substituir o Twitter?

Vivemos no mundo da big tech. À parte todos os problemas que seus modelos de negócio predatórios e descuidados geram, essas grandes empresas alteraram as expectativas da opinião pública acerca de serviços digitais.

De carona, levaram serviços antes restritos — por dificuldades técnicas ou barreira financeira — a literalmente bilhões de pessoas.

Nesse mundo da big tech ainda há espaço para outros jeitos de pensar, lidar e explorar a tecnologia, mas isso será cada vez mais visto como excentricidade.

É significativo que o Mastodon tenha batido 1 milhão de usuários ativos na esteira das decisões erráticas de Musk, mas 1 milhão de usuários é uma gota no oceano que é o Twitter, com um quarto de bilhão de usuários.

E mesmo com essa base minúscula, instâncias e serviços de hospedagem especializados em Mastodon estão no limite, sobrecarregados.

Apesar de tudo, e gostaria de terminar com uma mensagem positiva, usar o Mastodon e migrar seu e-mail para serviços menores são esforços válidos. Vitais, diria, se quisermos ter a chance de uma internet plural, diversa, aberta — como sempre deveria ser.

É provável que o Mastodon jamais vire um Twitter, em termos de alcance e influência, e tudo bem desde que ele exista como uma alternativa a quem, por qualquer motivo, anseia por meios de comunicação mais saudáveis no digital.

Post feito em parceria com o Manual do Usuário

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca