Telegram cresce no Brasil, mas empresa opera no escuro
Arte: Sérgio Spagnuolo

Dificuldade de contatar representantes da plataforma afeta não só jornalistas e usuários, como também o judiciário

Mais de 30% dos brasileiros acima de 16 anos com acesso à internet já utilizam o Telegram, segundo pesquisa do InternetLab em parceria com a Rede Conhecimento Social, mas ainda assim a presença corporativa do aplicativo de mensagens no país é um vácuo.

Mesmo após assegurar um financiamento de US$1 bilhão junto investidores, o que colocaria a empresa em um patamar avançado de profissionalização organizacional e corporativa, o Telegram segue sem representação no país e basicamente ignora questionamentos da imprensa e até do judiciário.

Em todas as reportagens que envolveram o Telegram, o Núcleo procurou a plataforma para pedir um posicionamento. Nunca houve resposta. Para este texto especificamente, entramos em contato por todos os meios eletrônicos disponíveis: chatbot de imprensa, emails de contato e pelas redes sociais. Nada aconteceu.


É importante porque...
  • Empresa conseguiu financiamento bilionário e tem crescido bastante no Brasil
  • Dificuldade em contato com empresa tem até ramificações jurídicas
  • A popularização do app entre usuários brasileiros somada à opacidade da plataforma reforça os desafios de uma rede onde a moderação é baixa

A organização para a imprensa da plataforma é, por si só, confusa. Não há um email ou pessoa designados para receber demandas. Recentemente, a empresa lançou um bot para lidar com os pedidos da imprensa -- o @PressBot. Você envia seus questionamentos e, em teoria, o bot encaminha a mensagem para o time da assessoria de imprensa. O Núcleo já usou três vezes o bot e nenhuma rendeu resposta.

print_telegram_press

Reportagens publicadas em veículos internacionais sobre o Telegram, cuja sede fica em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, citam Mike Ravdonikas como porta-voz da plataforma. Segundo seu perfil no LinkedIn, ele é vice-presidente de Comunicações do Telegram. Em diversas ocasiões, inclusive para esta matéria, o Núcleo tentou contato com Ravdonikas, mas também não houve resposta.

Para uma reportagem publicada em junho, a Folha de S. Paulo também tentou entrar em contato com a área de imprensa da plataforma diversas vezes, mas não teve sucesso.

Não são apenas os veículos da imprensa que não conseguem chegar ao Telegram.

O Tribunal Superior Eleitoral também está tentando contato com a plataforma, mas sem sucesso.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, em junho, a secretária-geral do TSE, Aline Osorio, disse que o Telegram é um grande desafio para as eleições de 2022 e que estão tentando contatar a plataforma, recorrendo inclusive a vias diplomáticas.

Em resposta a questionamento enviado pelo Núcleo, o TSE disse que não há qualquer atualização na tentativa de contrato com a plataforma.

A falta de representação da plataforma no Brasil também tem implicações para processos judiciais em andamento. Em março de 2020, em ação que suspendeu a veiculação da campanha 'O Brasil Não Pode Parar', contrária às medidas de isolamento social, o ministro do Supremo Luís Roberto Barroso intimou as principais empresas de redes sociais.

A intimação ao Telegram, segundo um recibo de envio eletrônico, foi enviada a três endereços de email genéricos: [email protected], [email protected]  e [email protected]legram.org. Esse último trata especificamente de violações de direitos autorais. A ação foi extinta pelo Supremo Tribunal Federal em maio de 2020 uma vez que o governo federal não deu prosseguimento à campanha.

Como fizemos isso

Entramos em contato com o Telegram pelo Press Bot, mandamos email para os três endereços acima e mandamos uma mensagem para Mike Ravdonikas. Tentamos contato pelo Twitter também.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca