#FacebookPapers: percepção de violência e exploração infantil no Brasil é maior no FB do que em outros apps

Núcleo teve acesso ao documento editado pela assessoria de Frances Haugen e fornecido ao Congresso dos EUA

Um estudo interno do Facebook publicado em julho de 2020 mostrou que a percepção de alcance de imagens de exploração infantil e de violência gráfica no Brasil é bem maior do que em outros aplicativos.

Essas informações fazem parte de documentos revelados à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) e fornecidas ao Congresso dos Estados Unidos de forma editada pela assessoria legal de Frances Haugen para censurar informações que possam comprometer outras pessoas, como nomes e outros dados pessoais. As versões editadas recebidas pelo Congresso dos EUA foram revisadas por um consórcio de veículos de notícias. O Núcleo Jornalismo teve acesso aos documentos.


É importante porque...
  • Mostra que o Facebook sabia o quão sensíveis são os usuários brasileiros com violência em seus apps, em comparação a outros apps
  • Pode indicar problemas na forma como os algoritmos da empresa funcionam

"O alcance de imagens de exploração infantil no Facebook é 5 pontos percentuais maior do que no app mais próximo no BR (Brasil) e CO (Colômbia)", mostrou o cabeçalho do slide com a informação, que tem um gráfico com o comparativo entre apps por país.


Logo abaixo no documento, a recomendação em destaque para que fosse investigado "por que o alcance é maior do que em outros apps no BR e na CO".

Os outros apps avaliados foram WhatsApp, Instagram, Messenger, Snapchat, Twitter, Line e TikTok.

Como parte do acordo para publicação do material, foi solicitado para que os veículos não publicassem prints de documentos.

O jornal Folha de S.Paulo também publicou reportagem neste sábado (6.nov) sobre o estudo.

Relatório do Facebook alerta para circulação de violência na plataforma no Brasil
Documentos mostram percepção de disseminação de discurso político incendiário, mas orientam equipe a focar EUA e Reino Unido

Resposta do Facebook

Contatado, o Facebook (que agora se chama Meta), disse sobre a pesquisa, em nota:

"Os resultados desta pesquisa não medem a prevalência ou a quantidade de um determinado tipo de conteúdo nos nossos serviços. A pesquisa mostra a percepção das pessoas sobre o conteúdo que elas veem nas nossas plataformas. Essas percepções são importantes, mas dependem de uma série de fatores, incluindo o contexto cultural. Divulgamos trimestralmente a prevalência de materiais que violam nossas políticas e estamos sempre buscando identificar e remover mais conteúdos violadores."

Em uma publicação de 23.out.2021 em seu site institucional em português, o Facebook destacou seus investimentos sobre países em risco:

"Já investimos US$13 bilhões em segurança globalmente desde 2016 - estamos a caminho de investir US$5 bilhões só neste ano - e temos mais de 40 mil pessoas trabalhando para manter as pessoas seguras nos nossos aplicativos. Também investimos em pesquisas internas para ajudar a identificar de forma proativa onde podemos melhorar nossos produtos e políticas"

VIOLÊNCIA GRÁFICA

Quando o assunto é violência gráfica, o aplicativo de Mark Zuckerberg também se sai pior do que a maioria no Brasil (com destaque), na Colômbia, na Indonésia e na Índia.

"Alcance de violência gráfica no WhatsApp é também maior do que apps parecidos no Brasil", diz uma nota do slide.

"Precisamos olhar seriamente em por que a violência gráfica continua a ter maior alcance no Facebook e no WhatsApp (BR)", segundo recomendação destacada.

Na Colômbia, a percepção de violência gráfica no Facebook é 18 pontos percentuais maior do que no aplicativo em segundo lugar (o WhatsApp, também do Facebook) – no Brasil é 7 pontos percentuais, e 5 na Indonésia.

#FacebookPapers: Brasil entre países mais sensíveis a conteúdos violentos
Núcleo teve acesso ao documento editado pela assessoria de Frances Haugen e fornecido ao Congresso dos EUA

DESINFORMAÇÃO

Facebook (primeiro lugar) e Whatsapp também têm mais alcance de desinformação do que outros apps no Brasil e na Colômbia. Em terceiro lugar está o Twitter, seguido de Instagram, Messenger e Snapchat.


Como fizemos isso

O Núcleo foi convidado a participar do consórcio de veículos internacionais que possuem acesso aos documentos trazidos à tona pela ex-funcionária do Facebook Frances Haugen, no que ficou conhecido como Facebook Papers.

Esses documentos foram primeiramente noticiados pelo Wall Street Journal, que chamou a série de Facebook Files.

#FacebookPapers
A cobertura brasileira sobre o maior vazamento de dados da rede social
Reportagem Sérgio Spagnuolo
Colaboração Laís Martins
Edição Alexandre Orrico


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca