Com 5G, redes sociais terão novos formatos e velhos problemas

Além dos novos formatos, continuidade do modelo comercial vigente cria riscos para desinformação e moderação de conteúdo

A implantação da nova rede de telefonia móvel 5G tem o potencial de mudar as redes sociais como as conhecemos.

Há a possibilidade de experiências mais imersivas em 3D e recursos que sequer conseguimos conceber agora. É certo que a velocidade de navegação aumentará bastante, elevando o volume de produção, a intensidade visual e qualidade técnica do conteúdo produzido e consumido.

Mas, com novos formatos, velhos problemas podem escalar, como disseminação de desinformação e de disparidade digital, uma vez que grandes centros urbanos e bairros ricos serão provavelmente os mais privilegiados na implementação do 5G, com início previsto para julho de 2022.  


É importante porque…
  • Com proximidade da implementação no Brasil, problemas potenciais começam a emergir
  • Especialistas vêm alertando que, em lugar de ampliar conectividade, 5G pode aprofundar disparidades

Uma palavra tem pipocado constantemente nos últimos tempos que pode ilustrar bem o tipo de problema que o 5G vai trazer para redes sociais: o metaverso.

Poucos anos atrás parecia algo distante, mas há praticamente um consenso de especialistas que metaverso vem aí com força – independentemente se a Meta (antes Facebook) fizer do seu jeito ou não. Diversos gigantes da tecnologia, como Amazon, Microsoft, Snap, NVidia, Tencent e Epic Games já estão trabalhando em suas próprias versões de metaverso, segundo a Reuters.

Assim, o 5G vai conectar o metaverso e, entre muitas outras coisas, possibilitar que as interações na internet se tornem imersivas num nível jamais visto antes, levando as redes sociais para um novo patamar de complexidade e possibilidades.


Isso faz com que problemas sistêmicos que persistem e pioram até hoje – como desinformação e dificuldade na moderação de conteúdo – nesses ambientes sejam difíceis, talvez até impossíveis, de prever, criando desafios de planejamento e políticas claras para tratar de práticas sensíveis.

"Se hoje nós estamos falando de estratégias relacionadas a essa visão 2D, o momento que a gente tiver a possibilidade de ter uma visão 3D em que a situação vai ser muito mais imersiva o potencial de desinformação também se torna mais amplo", disse ao Núcleo Christian Perrone, coordenador da área de Direito e Tecnologia do ITS Rio.

O Second Life, ambiente virtual que fez sucesso mais de uma década atrás e, sim, ativo até hoje, pode ajudar a dar uma boa ideia do que está por vir.

Em 2019 vieram à tona informações de um processo judicial no qual um diretor de segurança da Linden Lab, que mantém o Second Life, alegou que a empresa fazia vista grossa para atos simulados de abuso sexual infantil e potencial de lavagem de dinheiro via plataforma.

Grave? Sim, e isso em cima de uma tecnologia criada vinte anos atrás.

O que é 5G?

É a próxima geração de tecnologia de telefonia móvel, que promete velocidades significativamente maiores do que o estágio atual (4G).

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), responsável por regular o setor de telefonia, realizou no começo de novembro o leilão para as faixas de frequência que serão utilizadas para o 5G.

Segundo a agência, alguns avanços técnicos principais são esperados com essa nova geração de tecnologia celular

  • Aumento das taxas de transmissão (maior velocidade)
  • Baixa latência (tempo mínimo entre o estímulo e a resposta da rede)
  • Maior densidade de conexões (quantidade de dispositivos conectados em uma determinada área)
  • Maior eficiência espectral (quantidade de dados transmitidos por faixa de espectro eletromagnético)
  • Maior eficiência energética dos equipamentos (economia e sustentabilidade)
5G vem aí: entenda por que o leilão do Brasil foi o maior do mundo
O leilão para a exploração e oferta do 5G no Brasil

ALMA DO NEGÓCIO

Para além do formato, também é preciso olhar para alguns aspectos do modelo de negócios que as operadoras de telefonia móvel escolherão quando o 5G for adotado mais amplamente.

É aí que entra a política de zero-rating, que consiste em acordos entre operadoras e empresas e serviços digitais e, especialmente, redes sociais para ofertar acesso ilimitado a essas plataformas, sem descontar de franquias de dados. Isso permite que usuários utilizem Whatsapp e Facebook mesmo depois que os dados do pacote acabam, por exemplo, ou que utilizem serviços do Google.

Alvo de mais críticas do que elogios entre especialistas, a política ainda assim divide opiniões.

Por um lado, explica Perrone, do ITS, uma parcela significativa da população ganha conexão e capacidade de comunicação por meio do zero-rating.

Por outro, essas políticas ferem o princípio de neutralidade da rede, estabelecido pelo Marco Civil da Internet. Esse princípio, como explica o InternetLab, defende que "todos os dados que trafegam na rede devem ser tratados da mesma forma e com a mesma velocidade (...) Na prática, isso significa que os provedores de conexão não podem priorizar o acesso a uma aplicação em detrimento a outra".

E é exatamente isso que a política do zero-rating faz: prioriza o acesso a uma aplicação em detrimento de outras.

A prática é problemática do ponto de vista concorrencial, já que é ilógico que usuários queiram migrar de um aplicativo que não consome sua franquia de dados para um que consuma.

Mas é também problemática do ponto de vista da desinformação, uma vez que usuários ficam com acesso limitado a informações.

Imagine essa situação: Uma pessoa recebe o link de uma notícia por WhatsApp. Seja a notícia falsa ou real, se a pessoa não tiver um pacote de dados, ao clicar no link que redireciona para o site de notícias, ela não conseguirá ler a notícia na íntegra porque não tem dados para isso. E se ela resolver simplesmente encaminhar o link para seus contatos, ela terá encaminhado um conteúdo que ela conhece apenas parcialmente, pelo título exibido dentro da conversa no WhatsApp.

Em poucas palavras: paga-se pela informação, mas a desinformação é gratuita.

TARIFA ZERO

Isso já é um problema hoje, e no 5G tende a piorar. "É colocar esteroides no problema que a gente já têm de competição e acesso à informação", compara Perrone.

Se as empresas de telefonia não mudarem o modelo de negócios, as pessoas tendem a aderir ainda mais aos aplicativos cobertos pela política do zero-rating. O 5G vai trazer formatos com mais qualidade, e, assim, consumir mais dados.

Com cobertura do zero-rating, usuários poderão usar a plena capacidade do 5G – maior velocidade, menor latência (tempo de resposta). Com isso vem também o receio em usar aplicativos fora do zero-rating, considerando que o pacote de dados pode não render nada, já que vai consumir mais banda larga.

Esse movimento tende a concentrar a massa dos usuários em um número restrito de aplicativos. "Os grandes beneficiários desse modelo de negócios que temos hoje são as Big Tech que mantêm planos zero-rating", disse Diogo Moysés, integrante da Coalizão Direitos na Rede e coordenador do programa de direitos digitais e telecom do IDEC.


Para Moysés, esse deveria ter sido o momento em que as operadoras garantiriam uma migração no modelo de negócios para um onde o acesso à internet móvel também fosse ininterrupto, de certa forma parecido com o da internet fixa.

Segundo ele, faltou também uma atuação mais incisiva de órgãos reguladores, como a Anatel, para que o modelo comercial não seja tão desfavorável ao usuário.

No Brasil, a política do zero-rating já foi alvo de diversas investigações pelo CADE e pelo Ministério Público Federal nos últimos anos. Em junho deste ano, o MPF notificou a Anatel solicitando explicações sobre o livre uso do WhatsApp.

"O que nos parecia fundamental nesse processo é que o ponto de partida para uma eventual implantação do 5G tinha que ter sido um olhar nos problemas que existem hoje e que nós precisamos enfrentar.

No fim, em vez de ampliar a conectividade e incluir mais brasileiros na rede, o 5G pode acabar por aprofundar as disparidades.

Grande parte da população, sobretudo nas classes sociais mais pobres, têm acesso à internet somente pela telefonia móvel, sob esse modelo, e para muitos usuários as redes sociais são efetivamente a internet, já que não têm motivação para acessar outros sites e serviços.

"A manutenção [do modelo de negócios] vai render um quadro, senão idêntico, pior" – Diogo Moysés, da Coalizão Direitos na Rede

"A gente tem uma tendência de aumentar a desigualdade porque o 5G começará sendo implementado pelos grandes centros urbanos e seus bairros ricos enquanto as zonas rurais, periféricas, áreas remotas continuarão com uma conexão absolutamente precária baseada num modelo de negócio que não permite que as pessoas utilizem o pleno potencial da internet".

Texto Sérgio Spagnuolo
Reportagem Laís Martins
Arte Rodolfo Almeida
Edição Alexandre Orrico e Samira Menezes

O que é metaverso? - Vídeos - Canaltech
Indústria de tecnologia aposta pesado no conceito, que chegou até mesmo a motivar a mudança do nome do Facebook como conglomerado para Meta


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca