O que Frances Haugen disse no Congresso Nacional
Arte: Rodolfo Almeida

Para Haugen, medidas de segurança adotadas pela empresa durante as eleições nos EUA poderiam ser adotadas no Brasil, mas Meta privilegia lucro

A ex-executiva da área de Integridade Cívica do Facebook Frances Haugen participou nesta terça-feira (5.jul.2022) de uma audiência pública das comissões de Legislação Participativa; e de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados. Participaram também a representante da Avaaz, Laura Moraes, e da Coalizão Direitos na Rede, Bia Barbosa. A Meta foi convidada, mas não enviou um representante para o evento.

Haugen, responsável por trazer à tona os documentos conhecidos como Facebook Papers no ano passado, está no Brasil conversando com jornalistas e organizações da sociedade civil sobre a importância de pressionar as big techs por mais transparência (ao Núcleo, falou sobre como a Meta impediu internet aberta de surgir no mundo).

"O Brasil é uma das democracias mais importantes do mundo e merece o mesmo nível de proteção nas eleições que os Estados Unidos recebeu em 2020", afirmou a cientista de dados.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Haugen disse que o Facebook não prioriza o Brasil no combate à desinformação e que "o português brasileiro é um dos idiomas que não têm os sistemas básicos de segurança que deveria".

Confira os principais pontos abordados pela ex-funcionária da Meta durante a audiência:

Transparência

  • "O Facebook intencionalmente tem negado acesso às próprias informações. Eles não querem que o ecossistema de responsabilização funcione, não querem que pesquisadores acadêmicos entendam o que acontece na plataforma. Eles escondem todas as coisas importantes."
  • "Estamos bem no começo da nossa jornada em todo o mundo em termos de accountability (das redes sociais). O Brasil merece saber o quanto o Facebook está investindo em transparência."
  • "O Facebook não tem transparência em relação a quais sistemas de moderação de conteúdo existem e em quais idiomas. Eu sou muito cética de que há cobertura igual em inglês e em português brasileiro."
  • "O Brasil merece saber quanto esforço está sendo investido por parte do Facebook em moderação de conteúdo e segurança, e merece saber até que nível há equidade linguística entre inglês e português."

PL 2630/2020 - PL das Fake News

  • "Estou muito animada com uma perspectiva regulatória para o Brasil, especialmente em relação às obrigações de transparência nas plataformas."
  • Para Haugen, há alguns dispositivos falhos no texto do PL, mas a exigência de transparência das plataformas é essencial. Por isso, ela aconselhou a aprovação do PL, que considera "uma excelente oportunidade para o Brasil" avançar na legislação sobre redes sociais.
  • "Me preocupa ter um sistema de dois níveis, que deixe políticos impunes (à responsabilização por conteúdos em redes sociais), mas fora isso, estou entusiasmada".

Eleições brasileiras

  • Haugen afirmou que, durante as eleições norte-americanas de 2020, o Facebook adicionou diversas camadas de proteção contra desinformação na rede social, e que algo semelhante poderia ser feito no Brasil. Segundo ela, as medidas podem ser implementadas com facilidade, mas a empresa opta por não fazê-lo porque isso poderia diminuir seus lucros.
  • "Eles tinham 35 medidas para a eleição (dos Estados Unidos). Mas eles desligaram essas medidas depois das eleições."
  • "O Brasil merece o mesmo nível de investimento que houve nos Estados Unidos, ou ainda maior, já que o processo eleitoral brasileiro depende muito mais dos aplicativos da empresa do que o norte-americano."
  • "Quando eu trabalhava lá, tinham apenas 17 pessoas na empresa olhando para eleições. O Facebook não vai responder quantas dessas pessoas estão olhando para as eleições brasileiras, mas se tiver uma ou duas, eu ficaria surpresa."
  • "Ainda temos tempo antes das eleições para implementar muitas coisas para combater desinformação nas plataformas da Meta. Precisamos mobilizar o maior número de pessoas possíveis para pressionar por transparência."

Ações

  • Haugen citou medidas do Twitter (verificação de contas) e do WhatsApp (limite de compartilhamento de conteúdo) como exemplos e diz que o Facebook não implementa medidas para conter desinformação porque as alterações reduziriam o lucro da empresa.
  • Como disse em entrevista ao Núcleo na segunda-feira (4.jul.2022) , a cientista reafirmou que o zero-rating oferecido pelo Facebook foi por temer concorrência.
  • Haugen disse que o Facebook sabe de aproximadamente 100 mil contas com "comportamento inautêntico coordenado", "que convidam cerca de 100 novos amigos por dia", o que é um dos alertas para perfil robô.
  • "O Facebook sabe como reduzir os 'spammers', essas redes de influência, mas eles escolheram não fazer isso."

Reportagem Julianna Granjeia
Edição Laís Martins

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca