Com zero-rating, Meta impediu internet aberta de surgir ao redor do mundo, diz Frances Haugen
Arte por Rodolfo Almeida/Foto de Wikimedia

Em entrevista ao Núcleo, Haugen disse que, visando frear surgimento de concorrentes, Meta asfixiou internet livre e aberta ao redor do mundo.

Read this story in English

Acordos feitos entre Meta e empresas de telecomunicação ao redor do mundo para oferecer o Facebook sem custo adicional, no formato conhecido como zero-rating, preveniram o nascimento da internet aberta em muitos países, avaliou a ex-executiva da área de Integridade Cívica do Facebook Frances Haugen em entrevista ao Núcleo nesta segunda-feira (04.jul.2022).

"O Facebook roubou – eles fizeram escolhas intencionais para prevenir a internet aberta de nascer em muitos, muitos países ao redor do mundo porque eles optaram pelo zero-rating", disse Haugen. "E isso é profundamente errado".

"A razão pela qual o Facebook fez isso é porque eles tinham medo que algo como o TikTok surgisse. Eles tinham medo que o Brasil, por exemplo, pudesse inventar a próxima rede social", explicou a ex-gerente de produtos de Integridade Cívica da Meta e responsável por trazer à tona os documentos que integram os Facebook Papers.

O que é zero-rating? Empresas de telecomunicações, como provedoras de telefonia ou internet, oferecem a consumidores planos que permitem o uso de certos serviços e aplicações sem que isso seja descontado da franquia de dados. Esses planos geralmente resultam de negociações entre empresas de tecnologia que desenvolvem aplicações –as big techs– e as provedoras.

Na avaliação de Haugen, é a internet aberta que permite que pessoas se unam e desenvolvam soluções juntas, algo que foi roubado de sociedades ao redor do mundo pelo Facebook no momento em que decidiu oferecer sua plataforma como zero-rating.

💡
Facebook Zero: a principal maneira como a Meta introduziu o zero-rating para o mundo foi através do Facebook Zero, uma versão mais leve do seu aplicativo principal que suprimia recursos de alto consumo de dados, como fotos e vídeos. Uma notícia do TechCrunch de 2010, quando o FB Zero foi lançado, resume bem: "presumidamente, o Facebook vai oferecer o Facebook Zero a operadoras gratuitamente, já que isso os ajuda a tornar a rede social o mais onipresente possível em celulares".

Como exemplo do que acontece em países onde o FB não pôde se consolidar por meio desses acordos, Haugen aponta para a China, país de origem do TikTok, hoje um dos principais concorrentes da Meta e que tem tirado o sono de Mark Zuckerberg.

Políticas de zero-rating não são por si só ruins. Em países onde a penetração de internet ainda é baixa – no Brasil essa figura fica em torno de 75% – oferecer acesso a redes sociais livre de custos adicionais é uma das maneiras de, no mínimo, conectar pessoas umas às outras.

O problema está nos serviços que são oferecidos como zero-rating. No Brasil, os pacotes costumam incluir, via de regra, as plataformas da Meta como WhatsApp, Facebook e Instagram e algumas operadoras também oferecem Twitter, TikTok e Waze.

Com isso, do ponto de vista de combate à desinformação, o zero-rating é um enorme desafio, já que um usuário pode ter contato com o conteúdo desinformativo na rede social, mas pode não ter internet para fazer uma simples busca de Google para averiguar a veracidade do conteúdo. A prática também é condenável sob a ótica de neutralidade da rede, princípio que estabelece que nenhum serviço de internet deve ser discriminado ou privilegiado.

Para Haugen, é sim possível pensar em zero-rating, mas em um modelo que não seja dominado pelo Facebook. "Nós deveríamos exigir outros caminhos adiantes que não esse em que o Facebook continue a matar a internet aberta e gratuita nos lugares mais frágeis do mundo", disse a executiva.

"Imagine um mundo onde o Google, Netflix, TikTok e Facebook se unissem e dissessem: 'nós vamos todos colocar um pouquinho de dinheiro'. Isso poderia ser equivalente ao orçamento que o Facebook tem atualmente para zero-rating. E é assim que vamos introduzir a internet... Veja, o Google gastou dezenas de bilhões de dólares construindo infraestrutura de internet ao redor do mundo – uma infraestrutura que funciona para todos e não só para o Google", acrescentou.

"Então vendo o jeito que o Facebook fez o zero-rating, eu acho que foi por uma motivação de negócios, que era a de prevenir competição", disse Haugen. Para empresas de telecomunicação ao redor do mundo, o ganho em contrapartida foi uma adoção rápida – e acelerada pelo Facebook – da internet móvel.

"Mas o custo disso foi a perda de um ecossistema independente de internet em uma série de países ao redor do mundo. E quão mais fortes seriam essas economias caso talentos locais tivessem dominado o ecossistema de informação? Então, claro, aconteceu mais rápido, mas o que se perdeu no processo?", provocou a ex-funcionária da Meta.

Frances Haugen está no Brasil para participar na terça-feira (05.jul.2022) às 14h de uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o projeto de lei das Fake News e para se reunir com organizações da sociedade civil. No domingo (03.jul.2022), a Folha de S. Paulo publicou uma entrevista com Haugen.

Veja a cobertura brasileira do Facebook Papers
Tudo o que foi publicado por veículos nacionais que tiveram acesso aos documentos
Reportagem Sérgio Spagnuolo
Texto Laís Martins
Edição Julianna Granjeia

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca