Funcionários da Alphabet pedem extensão de benefícios após proibição de abortos nos EUA

Empresa proprietária do Google garantiu benefícios de saúde apenas aos funcionários contratados em período integral.

Mais de 650 funcionários da Alphabet, empresa dona do Google, assinaram uma petição pedindo à empresa estender os benefícios de saúde relacionados a aborto aos funcionários terceirizados. A petição também pede proteção à privacidade dos usuários após a decisão da Suprema Corte que derrubou a lei Roe v. Wade em junho.

O QUE ACONTECEU? Em junho, o Google emitiu um comunicado aos seus funcionários afirmando que o plano de saúde da empresa cobriria "procedimentos médicos fora do estado onde os trabalhadores vivem" e que eles poderiam solicitar a realocação sem justificativa.

No entanto, esses benefícios não valem para funcionários temporários, terceirizados e prestadores de serviço (TVCs, na sigla em inglês). Segundo a CNBC, a empresa contabilizava em julho 174.014 funcionários contratados em tempo integral e mais de 100.000 TVCs.

No comunicado de junho, a empresa anunciou que apagaria dados de localização relacionados a aborto, reabilitação ou violência doméstica. Agora, funcionários também pedem que o Google garanta que históricos de pesquisa relacionados ao acesso ao aborto “nunca sejam salvas, entregues às autoridades policiais ou tratadas como um crime”.

Google diz que apagará históricos de localização de visitas a clínicas de aborto
Anúncio veio em meio a tensão nos EUA sobre como as Big Techs vão lidar com dados relacionados ao aborto

Na prática, de acordo com o Engadget, isso significaria que mesmo com uma ordem judicial, autoridades não conseguiriam ter acesso aos dados por eles não existirem.

PREOCUPANTE. A demanda surgiu após notícias sobre o Facebook ter fornecido à polícia do Nebraska (EUA) mensagens privadas entre uma mãe e uma adolescente de 16 anos que supostamente realizou um aborto ilegal. Segundo o Motherboard, que obteve e divulgou o inquérito policial, o procedimento teria sido feito antes da derrubada de Roe v. Wade.

Ao todo, 22 estados norte-americanos devem banir ou restringir o aborto.

Reportagem Sofia Schurig
Edição Julianna Granjeia


Faça parte da conversa

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca