Anúncio do PT no YouTube associa Bolsonaro a canibalismo

Anúncio da campanha de Lula resgata entrevista de 2016 em que o atual presidente diz que ‘comeria um índio sem problema nenhum’ #NúcleoNasEleições

Reportagem Ethel Rudnitzki e Julianna Granjeia


Esta reportagem foi feita numa colaboração entre Agência Pública, Aos Fatos e Núcleo Jornalismo para a cobertura das eleições de 2022. A republicação só é permitida com a atribuição de crédito para todas as organizações.

No primeiro dia de propaganda eleitoral do segundo turno, a campanha de Luís Inácio Lula da Silva (PT) veiculou na TV e na internet um anúncio que associa seu adversário, o presidente Jair Bolsonaro (PL), à prática de canibalismo. A peça está sendo exibida em vídeos no YouTube, por meio do Google Ads.

A campanha anunciou o vídeo quatro vezes nesta sexta-feira (7.out.22), e investiu aproximadamente R$ 7,5 mil - a plataforma do Google informa apenas a faixa do valor investido.  

Os anúncios já somaram ao menos 500 mil visualizações, direcionado a homens e mulheres de todas as faixas etárias em todo o país.

A propaganda usa trechos de vídeos antigos do presidente Jair Bolsonaro, entre eles uma parte de entrevista concedida ao jornal americano The New York Times em 2016, em que ele diz que “comeria um índio sem problema nenhum”. Na ocasião, o então deputado se referia a um suposto ritual indígena em que se cozinha o indigena após a morte e o corpo é servido na tribo.

O jornalista que aparece nas imagens é Simon Romero, então chefe da sucursal brasileira do jornal americano, com base no Rio de Janeiro. Uma reportagem sobre Bolsonaro foi publicada na edição impressa do dia 8 de maio de 2016. O texto não registrou as falas do então deputado sobre povos indígenas.

O presidente do Condisi (Conselho do Distrito Sanitário Indígena) Yanomami desmentiu à Agência Pública que o povo mantenha a prática de canibalismo. Segundo o jornal O Globo, a campanha de Bolsonaro pretende acionar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra a propaganda.

MISSÃO

O vídeo sobre canibalismo anunciado no YouTube também foi divulgado no grupo de WhatsApp Lula 13, administrado pela campanha petista. Na mensagem, link para um post no site do ex-presidente com o título "Assustador! Bolsonaro diz que comeria carne humana".

À GloboNews, a campanha petista informou que não está veiculando fake news e que apenas reproduz entrevistas verdadeiras de Bolsonaro.

Maçonaria e satanismo: esquerda parte pra guerrilha nas redes
Video antigo de Bolsonaro em uma loja maçônica deu início a uma enxurrada de posts com informações duvidosas e ironias à pauta moral bolsonarista

No grupo de WhatsApp, a campanha também postou um vídeo com pessoas doentes de Covid chorando ao lado de imagens de Bolsonaro desdenhando da pandemia.

Há também uma "missão do dia": "Espalhe que Bolsonaro é lobo 🐺 em pele de cordeiro. Espalhar a verdade é tirar votos dele.🚨 Ele é cruel e só anda com gente do mal. Desumano e incompetente."

Na plataforma de anúncios do Google há ainda investimento em vídeos com os títulos "Conheça a verdade sobre Bolsonaro" e "País Cristão".

Edição Alexandre Orrico

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca