Telegram finalmente derruba canal de Carla Zambelli

TSE ordenou a suspensão das contas da deputada; Telegram cumpriu apenas na 4a-feira a noite #NúcleoNasEleições

Título anterior desta nota, alterado após atualização: Canal de Zambelli no Telegram segue ativo mesmo após ordem do TSE

Mesmo após ordem judicial para derrubar todos os perfis da deputada federal Carla Zambelli das redes sociais por incitação a "comportamentos ilegais", o Telegram mantém ativo o canal verificado da deputada com seus mais de 167 mil inscritos – pelo menos até as 15h53 desta quarta-feira (2.nov.2022).

[ATUALIZADO EM 3.NOV.2022]. O perfil de Zambelli no Telegram foi bloqueado na noite de quarta-feira (2.nov), após a publicação desta reportagem do Núcleo.

DECISÃO JUDICIAL. Na terça-feira (1º.nov.2022), o TSE ordenou a suspensão das contas da deputada de Facebook, Twitter, YouTube, Instagram, TikTok, LinkedIn e Gettr e do Telegram.

O Núcleo checou que, com exceção do Telegram, todas as outras redes sociais já cumpriram a determinação judicial – inclusive o Gettr, um refúgio da extrema-direita nos EUA e que quer abrigar mais bolsonaristas.

Contas de Carla Zambelli nas redes sociais são removidas
Decisão do TSE foi motivada por postagens de apoio a caminhoneiros bolsonaristas que obstruem estradas pelo país

REINCIDÊNCIA. Na madrugada de terça para quarta-feira, a deputada publicou em seu canal no Telegram que havia criado novos perfis no Twitter, no Instagram e no YouTube. O post teve mais de 80 mil visualizações.

Esses novos perfis, no entanto, também já foram removidos.

CONTEXTO. Segundo a coluna da jornalista Malu Gaspar, no jornal O Globo, que obteve a íntegra da decisão sigilosa do TSE, as postagens em apoio à obstrução de estradas por caminhoneiros poderiam "tumultuar o processo eleitoral" e incentivar "comportamentos ilegais e beligerantes".

Zambelli, que já era investigada por atos antidemocráticos, postou mensagens parabenizando os caminhoneiros pelas paralisações na segunda-feira (31.out).

A ação que determinou a remoção do perfil da deputada é resultado de um mapeamento feito pela Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação do TSE, segundo O Globo.

O departamento argumenta que as postagens de Zambelli "atingem a integridade e a normalidade do processo eleitoral, incentivando, com base em falsas acusações de fraude, a recusa dos resultados e intervenção militar".

Desde domingo (30.out), o Tribunal tem determinado a remoção de uma série de links, perfis, sites e grupos do Telegram que compartilham fake news e desinformação.

Abaixo, um gif do canal da deputada feito às 15h30 do dia 2.nov.2022.


Texto atualizado às 9h23 de 3.nov.2022 para incluir bloqueio do canal de Zambelli pelo Telegram.

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca