Cadastre-se gratuitamente nas nossas newsletters

A Sama, ex-parceira da Meta na moderação de conteúdo na África, foi obrigada por um tribunal queniano a pagar os salários atrasados de moderadores deixados de fora. A decisão vem após protestos dos moderadores na sede da Sama exigindo o pagamento de salários atrasados.

Moderadores no Quênia processam Meta pela 3ª vez
Ex-funcionários da Sama, terceirizada da Meta, reivindincam reconhecimento e recompensa pela atividade de moderação e impacto à saúde mental

O QUE ROLOU? Cerca de 184 moderadores entraram com um processo contra a Sama por suposta demissão ilegal após encerrar sua divisão de revisão de conteúdo em mar.2023, e contra a Majorel, nova parceira da Meta na África, por lista negra sob instrução da Meta.

O tribunal ordenou que a Sama continuasse a revisar o conteúdo nas plataformas da Meta e a ser seu único fornecedor na África até que o caso seja julgado. A Sama concedeu licença compulsória aos moderadores em abr.2023, alegando que seu contrato com a Meta havia expirado.

Os moderadores entraram com o processo alegando que a Sama não emitiu avisos de redução, que não receberam aviso de rescisão de 30 dias e que suas remunerações finais estavam vinculadas à assinatura de documentos de não divulgação, entre outras alegações. A Sama afirma que respeitou a lei queniana, incluindo dando aos funcionários aviso suficiente.

Funcionários criticam moderadora de conteúdo para a Meta na África
Majorel, empresa cotada para assumir o contrato com a plataforma, é acusada de pagar mal seus funcionários e ignorar restrições sanitárias na pandemia de COVID-19
Moderadores alemães do TikTok e da Meta se unem para pedir melhores condições de trabalho
Funcionários pedem elaboração de acordo formal para que plataformas reconheçam direitos trabalhistas

Via Techcrunch

Texto Sofia Schurig
Edição Alexandre Orrico

Meta
Venha para o NúcleoHub, nossa comunidade no Discord.