Chegou a hora de os cientistas abrirem o Koo?

Com o caos instalado no Twitter, alguns divulgadores científicos estão indo pro Koo, outros ainda estão explorando as potencialidades e problemáticas da rede social indiana

Receba de graça a newsletter Polígono


Com um clima total de "Titanic afundando" depois que Elon Musk instalou o caos no Twitter, usuários da plataforma estão buscando alternativas à rede, e o pessoal da ciência e da divulgação científica não ficou de fora.

Entre as alternativas no momento estão o Mastodon e o Koo, a rede social indiana para onde já foram alguns divulgadores científicos, como o Lucas, do Universo Discreto, que usa seu perfil no Twitter para divulgar seu trabalho no Koo.

Sim, você está pensando o mesmo que eu e não há formas adequadas de se referir ao Koo.

Lucas (Universo Discreto) 👨‍💻 just posted a Koo
É possível fazer um algoritmo de reconhecimento de faces que diferencie sósias ou gêmeos? É possível se as condições permitirem. Se a iluminação variar pouco, a expressão de ambos estiver neutra, não houver oclusão devido aos óculos e as fotos forem recentes, aí o desempenho é considerado bom. Com…

O Papo de Cobra também foi pro Koo.

Outros usuários, no entanto, ainda estão explorando a plataforma para entender suas potencialidades, suas problemáticas e se vale a pena "ocupar o Koo" (meu Deus).

Mas algumas questões permanecem em aberto, como comenta a paleontóloga e divulgadora científica Aline Ghilardi.

Trocadilhos à parte, independentemente da rede social onde os divulgadores científicos encontrarão oportunidades para seguir falando sobre ciência, é importante que as plataformas valorizem o trabalho desses criadores de conteúdo, criando, por exemplo, políticas de verificação – algo que usuários já estão solicitando na rede do passarinho amarelo.

Vimos o quanto a verificação é importante depois do caso da farmacêutica Eli Lilly. Alguém criou uma conta fake da empresa – com o selinho azul comprado idealizado por Elon Musk, o novo dono do Twitter – e anunciou a distribuição gratuita de insulina. O mercado financeiro respondeu ao boato, fazendo a farmacêutica arcar com um prejuízo de US$ 16 bilhões.

Uma boa moderação e a vigilância de conteúdos fake e discursos de ódio também precisam ser prioridades e não podem ser ofuscados sob o estandarte de "liberdade de expressão".

Há situações que são intoleráveis e que devem permanecer intoleráveis.

Agora, não dá para negar que o Brasil está sendo valorizado pelo Koo (eu desisto), não é?!

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca