YouTube passa a proibir alegações de fraude eleitoral em 2022

Empresa atualizou política de integridade eleitoral no dia após 2º turno para proibir alegação de fraude em 2022

O YouTube anunciou na manhã desta segunda-feira (31.out.2022) uma atualização em sua política de integridade eleitoral para proibir alegações de fraude nas eleições presidenciais de 2022 do Brasil.

  • Até então, as eleições deste ano estavam fora dessa política, que incluía apenas 2014 e 2018.

Sob essa política, a plataforma não permite "conteúdo com alegações falsas de que fraudes, erros ou problemas técnicos generalizados ocorreram em determinadas eleições passadas para determinar os chefes de governo ou conteúdo que afirma que os resultados certificados dessas eleições são falsos".

Nos dias após o 1º turno, o Núcleo identificou dezenas de transmissões ao vivo e vídeos que traziam repetidas alegações de fraude eleitoral. Embora o Youtube tenha removido uma das transmissões, que ficou no ar por quase 20 horas, outras ficaram ativas.

YouTube permite transmissão que alega fraude eleitoral
Transmissão ao vivo está no ar há pelo menos 15 horas com compilado de vídeos que falsamente alegam fraude nas urnas

Relatório de pesquisadores do INCT-DD apontou que a inação de plataformas como Youtube para conter conversas sobre irregularidades no processo eleitoral ajudaram a extrema-direita a consolidar a narrativa de fraude eleitoral entre o 1º e 2º turnos.

Redes ajudaram direita a consolidar narrativa de fraude
Pesquisa aponta que falta de assertividade de empresas para moderar conteúdos permitiu disseminação de narrativa de fraude em múltiplas frentes
Texto Laís Martins
Edição Alexandre Orrico

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca