Bolsonaristas adotam “táticas de guerra” no Telegram para fugir de bloqueio do STF

Canais bolsonaristas monitorados pelo STF divulgam informações pessoais de supostos infiltrados e mudam seus nomes diariamente para evitar bloqueios.

Após a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que pediu a suspensão de mais de 50 canais e grupos bolsonaristas no Telegram, o Núcleo identificou que seus integrantes adotaram o que chamam “táticas de guerra”, como a mudança diária do nome dos canais. Muitos dos canais listados ainda não foram suspensos.

Monitoramento do Núcleo nesta quinta-feira (12.jan) também revela que os bolsonaristas se tornaram mais preocupados com vigilância de autoridades e passaram a divulgar informações pessoais de supostos infiltrados nos grupos do Telegram.

ESTRATÉGIAS. Os canais listados na decisão do STF que ainda não foram suspensos estão com, em média, menos de 3 mil inscritos. No entanto, o Núcleo também identificou que o grupo "O despertar reserva" ainda está em atividade com mais de 15 mil membros.

Para escapar da moderação, os canais adotaram o que chamam de "táticas de guerra" e mudam constantemente os nomes dos grupos, além de apagar históricos e ativar mensagens temporárias.

Em um dos canais listados pelo STF, uma usuária confusa pergunta qual o nome do grupo originalmente, e diz que muitos mudaram de nome na madrugada de quinta-feira (12.jan.23). Um dos membros responde que “teve uma confusão que obrigou o grupo a fazer alguns ajustes”, mas não menciona a decisão da Justiça.

“QUEM RIU É INFILTRADO”. A preocupação com supostos infiltrados agora é recorrente nos canais, fazendo com que usuários migrem para redes mais criptografadas e até vazem números de telefone de quem desconfiam.

Em um dos grupos bloqueados após decisão do STF, com 3895 mil inscritos, administradores apagaram todo o histórico de mensagens e fizeram uma pegadinha ao enviar uma mensagem simulando que o canal tinha sido bloqueado pelo Telegram. Após sete horas, coletaram reações dos membros e baniram todos os que chamaram de infiltrados.

Reprodução de grupo do Telegram

Os usuários também migraram para redes consideradas mais seguras, como o Signal. O aplicativo, no entanto, não permite que o usuário esconda seu número de telefone, como no Telegram, e pode facilitar que administradores rastreiem e vazem números de telefone.

O Núcleo também identificou usuários convocando migração para aplicativos como o Element, que usa o protocolo Matrix, uma rede de comunicação de código aberto e criptografado com pouca tração no Brasil.

Reprodução de grupo do Telegram

Logo após a insurreição de extremistas em 8.jan.23 em Brasília, usuários em canais e grupos golpistas passaram a ficar mais alertas com o que chamam de infiltrados. Em alguns canais, discutem a importância de contratarem profissionais de tecnologia de informação e hackers para rastrear pessoas de esquerda, políticos e jornalistas.

Reprodução de grupo do Telegram

DOXXING. Na manhã de quinta (12.jan), vários canais golpistas compartilharam uma lista com cerca de 50 números e nomes dos supostos infiltrados. A prática pode ser considerada doxxing — crime de vazar informações pessoais de alguém na internet , sobretudo se aqueles com dados expostos venham a sofrer assédio.

Monitoramento do Núcleo

INFLUENCER INVESTIGADO. O canal do Telegram de Allan dos Santos, influencer bolsonarista investigado pelo STF em dois inquéritos, ainda está ativo e conta com 22 mil inscritos. Desde 8.jan, Santos publica mensagens de teor extremistas, além de publicamente apoiar a insurreição contra o Estado democrático.

Após os ataques em Brasília, Santos chegou a compartilhar uma publicação de sua conta no Locals, uma rede alternativa de direita, onde fala que Adolf Hilter “usou politicamente o incêndio do congresso alemão” — em uma tentativa de comparar o presidente Lula ao líder nazista.

Reprodução de grupo do Telegram
Reportagem Sofia Schurig
Edição Julianna Granjeia

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca