Políticos gastam R$170 mi com impulsionamento no 1º turno

Média diária de gastos durante a campanha foi de R$3,7 milhões; dentre presidenciáveis, Tebet lidera em impulsionamentos nas redes sociais #NúcleoNasEleições

O gasto de políticos com impulsionamento de conteúdo nas redes sociais chegou a R$168,9 milhões até sexta-feira (30.set.2022), último dia em que se podia impulsionar anúncios no primeiro turno das eleições gerais.

Isso dá uma média de R$3,7 milhões gastos por dia desde 16.ago.2022, quando teve início a campanha. Os dados são do Observatório de Impulsionamento Eleitoral do Núcleo.

Observatório de Impulsionamento Eleitoral
Analisamos dados do TSE para identificar impulsionamento de conteúdo

Dentre os presidenciáveis, a campanha da senadora Simone Tebet (MDB) foi a que mais investiu em impulsionamento e o partido que mais gastou com redes foi o União Brasil (veja mais abaixo).

No 1º turno desta campanha eleitoral, candidatos apresentaram à Justiça Eleitoral 22.547 mil comprovantes de gasto com a rubrica de "impulsionamento". A média de gasto por rubrica foi de R$7 mil e o maior gasto em uma única declaração foi de R$1,950 milhão, do candidato à Presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ritmo de impulsionamentos acelerou na reta final da campanha. Até 15.set, os gastos para promover conteúdo na internet somavam R$110 milhões. Já nas duas últimas semanas, foram gastos R$60 milhões.

2018: Nas últimas eleições gerais, candidatos gastaram R$77 milhões com impulsionamento de conteúdo, de acordo com um relatório publicado pelo InternetLab em jun.2019.  Em valores corrigidos pelo IPCA, isso equivaleria hoje a R$96,8 milhões.

Em 2018, 21,5% quarto dos candidatos que estavam concorrendo a cargos em todas as esferas declararam gastos com impulsionamento de conteúdo. Agora em 2022, o número cresceu timidamente: 24% dos candidatos impulsionaram.

Debates ferveram atividade de políticos nas redes sociais
O ISP, índice criado pelo Núcleo para medir a temperatura das redes de políticos, está em seu maior patamar sustentado desde o começo da série histórica, iniciada em abr.2021

Presidenciáveis: A campanha à Presidência da senadora Simone Tebet (MDB) foi a que mais investiu em impulsionamento. Ao longo dos 45 dias de campanha, foram investidos R$2,780 milhões.

Em seguida aparecem:

  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - R$2.597.840
  • Ciro Gomes (PDT) - R$1.660.266
  • Jair Bolsonaro (PL) - R$538.000
  • Soraya Thronicke (União) - R$510.550
  • Luiz Felipe D'Ávila (Novo) - R$100.000
Gráfico Interativo

Partidos: O partido que mais gastou com impulsionamento não é de nenhum dos presidenciáveis que aparecem como favoritos nas pesquisas. Lidera o União Brasil, partido da candidata Soraya Thronicke, com R$20,2 milhões de reais gastos em impulsionamento. Em seguida aparecem o PT, que declarou gastos de R$19,5 milhões, e o Partido da Liberdade (PL), que investiu R$17,3 milhões de reais.

Estados: No ranking dos 5 Estados que mais tiveram gastos com impulsionamento, aparecem três Estados da região Sudeste e dois nordestinos. As primeiras posições são ocupadas por SP, MG e RJ. Políticos destes Estados gastaram R$33,2 milhões, R$15,8 milhões e R$14,5 milhões, respectivamente. Em seguida aparecem Ceará e Pernambuco, com gastos equivalentes a R$10,8 milhões e R$10 milhões, respectivamente.

  • O Ceará é um caso a parte, como mostramos no Núcleo nesta semana. Dois candidatos que concorrem pelo governo do Estado – Elmano Freitas (PT) e Roberto Cláudio (PDT) estão entre os políticos que mais gastaram com impulsionamento. Freitas, do PT, é o candidato com o maior gasto (R$3 milhões), superando os presidenciáveis. Cláudio, do PDT, aparece em terceiro, atrás de Simone Tebet.
Guia eleitoral: pesquisas, checagens e outras infos
O Núcleo compilou os principais sites e projetos para você se informar o melhor possível para esse fim de semana.

Impulsionamento conturbado

Apesar dos gastos significativos, o impulsionamento de conteúdos na internet nesta campanha eleitoral foi marcado por dificuldades, dúvidas e irregularidades - tanto do lado dos candidatos quanto das plataformas Meta e Google – as únicas que permitem anúncios pagos de política.

No início de setembro, a campanha de Lula teve 12 anúncios removidos pelo Google por violação às políticas da plataforma (a empresa não informa qual foi a violação exata).

Na esteira do 7.set, a campanha de Bolsonaro impulsionou anúncios com trechos dos atos no dia da Independência, contrariando decisão do TSE que proibiu o uso desse material, mostrou reportagem da Agência Pública.

Falando em Justiça, o impulsionamento de conteúdos também foi alvo de ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em 27.set, a Corte proibiu a campanha de Bolsonaro de impulsionar conteúdos do LulaFlix, site com conteúdos críticos ao rival político. Na véspera, o TSE também havia barrado o PT de impulsionar no Youtube conteúdos críticos a Bolsonaro.

As plataformas, por sua vez, mostraram que ainda não têm controle total sobre o processo de impulsionamento de conteúdos. Em 25.ago, o Núcleo identificou uma página recém-criada e com poucos seguidores promovendo anúncios pró-Bolsonaro no Facebook e Instagram.

O impulsionamento de anúncios contendo desinformação eleitoral também foi um problema durante a campanha. Um relatório da organização SumOfUs desta última semana mostrou que Meta e Google fazem vista grossa para conteúdo do tipo, permitindo que usuários impulsionem anúncios que colocam em xeque a integridade do processo eleitoral.

Reportagem Laís Martins
Edição Julianna Granjeia

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca