Mais que uma rinha entre celebridades

A oceanógrafa Adriana Lippi conta por quê a proposta de emenda constitucional conhecida como "PEC da privatização das praias" pode ser prejudicial também ao meio ambiente. 
Receba nossas newsletters de graça
Show de bola! Verifique sua caixa de entrada e clique no link para confirmar sua inscrição.
Erro! Por favor, insira um endereço de email válido!

Bom dia! Aqui é a Meghie Rodrigues e hoje vamos falar de um grande feito da NASA com a Boeing, de um estudo que diz que explorar fontes fósseis com o argumento de segurança energética é balela, e de testes em curso com vacinas para câncer. Na nota do convidado, a oceanógrafa Adriana Lippi conta por quê a proposta de emenda constitucional conhecida como "PEC da privatização das praias" pode ser prejudicial também ao meio ambiente. 


Vacinas contra câncer
O Reino Unido está realizando ensaios clínicos para testar vacinas de RNA mensageiro (a mesma tecnologia usada em algumas vacinas contra Covid-19) para o combate do câncer. O estudo termina em 2027 e a ideia é treinar o sistema imunológico para reconhecer e combater células cancerígenas. Um paciente de 55 anos é o primeiro a receber o tratamento após uma cirurgia e quimioterapia para tratar câncer de cólon. Em outro estudo, a farmacêutica Moderna obteve bons resultados com vacinas contra melanoma avançado.

Energia fóssil? Não, obrigado
Um estudo publicado na revista Science argumenta que o mundo não precisa abrir novas frentes de exploração de combustíveis fósseis para suprir a demanda de energia global até 2050. Além do mais, um relatório publicado pela Agência Internacional de Energia ano passado dá conta de que, em 2030, a demanda por combustíveis fósseis vai ser 25% menor que a atual. Em tempo: o estudo é mais uma pedra na montanha de evidências que coloca em xeque projetos de exploração de petróleo como a perfuração do Bloco 59 na Foz do Amazonas.

No fio da navalha
Depois de alguns adiamentos, a Starliner, cápsula espacial da Boeing, conseguiu se acoplar à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) na última quinta-feira. Um problema em cinco dos 28 propulsores da nave (e quatro vazamentos de gás hélio) atrasou um pouco a missão, mas no final deu tudo certo: a cápsula atracou na Estação e os dois astronautas a bordo — Butch Wilmore e Suni Williamsse juntaram a outros colegas da ISS, com quem devem ficar por oito dias. Gol da NASA

💡
Você viu?

* Seu crush faz isso?
* Faz pergunta difícil não, Marte!
* Esses macaquinhos são geniais!
* A diva sobreviveu. 🐍
* Civilizações humanas têm "prazo de validade"?
* Essa tecnologia brasileira tem muito potencial. 🧓
* Como criar um fake viral?
* Egípcios já sabiam o que fazer com câncer cerebral 🤯
* Coisa mais linda, esse mapa! ❤️
* A "geleira do Juízo Final" está derretendo.
* Enquanto isso, no Brasil, mais uma boiada passou. 😶

Nota do convidado

Privatizar praias pode atrapalhar adaptação climática no Brasil

Por Adriana Lippi, oceanógrafa e mestranda em Ciência e Tecnologia do Mar pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

A Proposta de Emenda à Constituição da Privatização da Praias (PEC 03/2022) ganhou manchetes por ter virado ponto de discórdia entre influencers de grande alcance. A PEC, que tramita pelo Senado,  extingue os Terrenos de Marinha, que nada tem a ver com a Marinha, forças navais, mas são áreas terrestres que têm influência de ambientes marinhos, como margens de rios, lagos, praias e encostas, que são de propriedade da União Federal.

Hoje muitas dessas áreas são ocupadas e os ocupantes pagam algumas taxas anuais pela cessão de uso, como celebridades que têm casas em ilhas ou casarões nas encostas do litoral. Com o fim dos Terrenos de Marinha, essas pessoas poderiam comprar em definitivo estes terrenos e serem os proprietários de fato, de interesse especial pelos setores de construção e hoteleiro.

Apesar de a PEC não derrubar a garantia de acesso público à praia (isso aí cabe ao projeto de lei 4.444/2021), ela estimula a ocupação e cercamento de mais áreas costeiras e pode potencializar conflitos de acesso às praias, como os casos mostrados na reportagem de 2017 da Agência Pública. Destes, o mais emblemático é de um condomínio de luxo que coloca diversos obstáculos para os pescadores da comunidade caiçara local chegarem à praia para seu trabalho.

O ambiente costeiro tem um grande valor imobiliário e turístico, mas a discussão pública pouco focou no valor ambiental e climático dessas áreas. A ocupação dessas áreas irá destruir os remanescentes do bioma aumentando as emissões de gases de efeito estufa por mudança do uso da terra.

Outra questão é que as construções litorâneas são mais vulneráveis a eventos extremos vindos do mar como ressacas e tempestades. Em países como Espanha, os governos têm tido grandes gastos para desapropriar as construções costeiras para criar obras públicas de adaptação climática.

Garantir o direito de comunidades tradicionais a essas áreas também é algo essencial que ficou de escanteio na discussão. Muito mais do que uma rinha de celebridades, essa PEC coloca em jogo garantias ambientais e climáticas para proteção da nossa população.

Receba nossas newsletters e traga felicidade para sua vida.

Não perca nada: você vai receber as newsletters Garimpo (memes e atualidades), Polígono (curadoria de ciência nas redes sociais) e Prensadão (resumo semanal de tudo o que o Núcleo fez). É fácil de receber e fácil de gerenciar!
Show de bola! Verifique sua caixa de entrada e clique no link para confirmar sua inscrição.
Erro! Por favor, insira um endereço de email válido!