Cadastre-se gratuitamente nas nossas newsletters

A degradação de qualidade do Twitter nos últimos meses tem sido, ao mesmo tempo, interessante e sofrível: embora seja fascinante ver um bilionário enterrando uma companhia pela qual pagou US$44 bilhões, ao mesmo tempo deixou milhões de usuários sedentos por uma rede social de texto com a qual possam contar.

A nova rede social da Meta, o Threads, veio para ocupar esse lugar de alternativa e, ao que parece, muitas pessoas estão adotando de braçada: a rede superou 100 milhões de usuários em menos de uma semana (claro, muito porque o app é conectado ao Instagram). Nostr, Mastodon ou Bluesky – quaisquer que sejam seus méritos – não conseguem ter volume remotamente semelhante.

Com seus milhares de engenheiros, se tem uma coisa que a Meta sabe fazer é construir redes sociais, enquanto, por exemplo, o Bluesky tem uma equipe inicial de menos de 10 pessoas.

Bom poder contar com várias alternativas para escolher, certo? E se for de uma empresa que sabe o que faz, melhor ainda, não?

Não é bem assim: com o Threads, a Meta fechou um círculo de produtos de redes sociais que a coloca numa posição de dominância.

Nos produtos da empresa você pode mandar mensagens criptografadas e ficar em contato com seus grupos (via WhatsApp), publicar fotos e vídeos curtos (Instagram), basicamente tuitar (Threads) e fazer seja lá o que as pessoas fazem no Facebook atualmente.

Claro, TikTok é uma ameaça à dominância absoluta da Meta em redes sociais, mas o Facebook tem 3 bilhões de usuários ativos em suas plataformas, alguma dominância já está estabelecida.

Só que agora a Meta corre para se posicionar no topo de mais uma modalidade de redes sociais – baseada em facilidade de compartilhamento e dinâmica de debates (significativamente diferente do Facebook). E tudo indica que ela também vai entrar no mercado de chatbots de inteligência artificial pra concorrer com Google e OpenAI/Microsoft.

Correr para o Threads é dar mais poder para uma empresa reconhecidamente exploradora de dados.

A Meta explora tanto nossos dados que sua ferramenta de rastreamento, o Pixel, é acusada pelo Congresso dos EUA de ter obtido dados sigilosos de imposto de renda de usuários. Esse é o nível.

É tanto dado que quando a Apple implementou medidas de privacidade para rastreamento de usuários de seus produtos, o Facebook perigou perder US$10 bilhões em receita de anunciantes em 2022 por causa disso.

A Meta tem um dos sistemas de anúncios mais sofisticados já feitos. O Threads, por ser construído em cima do Instagram, certamente terá acesso a esses sistemas com muita facilidade, fazendo com que a empresa possa rastrear seus usuários em várias plataformas diferentes.

Eu criei uma conta na Threads pra testar, mas não sei se é a melhor coisa ter uma empresa que predatoriamente explora nossos dados pessoais em mais uma rede social.

Numa eventual briga de jaula entre Elon Musk e Mark Zuckerberg, eu posso até torcer pro Zuck moer seu oponente na porrada (olha o físico do cara), mas em momento nenhum devemos nos iludir de que a Meta é a salvadora do formato do Twitter – ela só está se aproveitando do estrago causado por um bilionário para que outro ocupe seu lugar.

Veja quais plataformas digitais mais rastreiam você
Núcleo analisou dados coletados por 18 aplicativos de redes sociais e busca
💩

ALGUNS PROBLEMAS NO TWITTER
* Limitações de uso: o Twitter limitou o número de tweets que um perfil pode ver e chegou a exigir login para ver um tweet, o que prejudica muito a experiência de usuários. A desculpa é limitar raspagem de dados por inteligência artificial. Não faz sentido uma rede social cujo modelo de negócios depende anúncios limitar quantos posts um usuário por ler;

* Fim da API gratuita: isso limitou monitoramentos e apps terceiros que colaboraram para transformar o Twitter em uma rede amigável a desenvolvedores e produtos. Isso acabou;

* Moderação quase inexistente: de nazismo e apologia a crimes até pornografia explícita, o Twitter virou um jogo de vale tudo;

* Invasão dos selos azuis (pay for play): não tem um dia que eu entre no Twitter e minha timeline não seja tomada por selos azuis comprados tentando emplacar conteúdo sobre inteligência artificial, tá sofrível;

* Apagões intermitentes: vira e mexe o Twitter sofre problemas de infraestrutura que prejudicam o uso da plataforma. Isso pode acontecer em qualquer lugar, claro, mas tem sido mais frequente no Twitter;

* Elon Musk: ter um sujeito arbitrariamente mudando regras na plataforma ao sabor do momento não é algo que dê segurança e consistência em seu uso.

ThreadsMetaTwitter/XInstagramMicrosoftGoogleChatGPTOpenAI
Venha para o NúcleoHub, nossa comunidade no Discord.